Ser mãe, sublime missão!

  • 11/maio 08:00
    Por Fernando Costa

    Vocês são tão grandes que não cabem num poema. São belas, mas não dessas belezas fugazes que se esvaem com o tempo. É amor, cuja imensidão comporta o universo inteiro. São centelha Divina e o mais fascinante é que lembram a Mãe do Nosso Salvador e Redentor Jesus Cristo, a quem coube o privilégio de experimentar em seu sacrossanto seio virginal, o doce mistério da maternidade, por isso, é o Ícone do Espírito Santo.

    Mãe é assim mesmo. Se jovem, age como amadurecida anciã, se idosa, possui garra e tenacidade de menina-moça no cuidado e zelo da Família, desvendando segredos, cuja intuição faz estremecer sábios e doutores.      

    Se pobre, vê-se enriquecida, ao nos sentir felizes. Se rica e culta, despe-se das joias e da sapiência calçando as sandálias franciscanas da candura e humildade. Se se aventuram a atacar seus filhos, transforma-se, forte como um leão; concentra e catalisa para si todos os ais e vibra de alegria em nosso triunfo e glórias.

    Quanto a mim, cada vez mais compreendo porque a Mãe do Meu Senhor exerce total domínio e presidência em meu coração. Seu olhar compassivo afaga-me e perdoa-me por maior seja a ingratidão, e haja iniquidade.

    Mesmo assim, ama-me de modo incomum. Lembro-me bem, desde criança, mamãe derramou Maria em meu coração, fui anjo, coroinha e até dirigi culto dominical.

    Hoje, revivo cada mistério invocado por ela em seu rosário, dolorosos, gozosos, gloriosos e luminosos. Com que alegria nós, seus filhos, participávamos das ladainhas, das coroações, procissões e de visitas às casas por ocasião das missões. Inundou-me de tal modo que me confundo ante uma e outra, iluminadas sob o facho de luz e exalar do perfume que frui de suas mãos.

    No dia a dia, cumprimos numerosa agenda e, são tão exíguos os minutos reservados sejam apenas para uma contemplação. E, no entanto, permanecem em casa, vigilantes e em diuturna oração, rogando por nós, velando por nós, torcendo por nós, chorando por nós e tecendo e fiando e nos amando sem cessar…

    Amadas assim na terra como nos céus, mas, que mãe deveria ser literalmente imortal isso deveria, no entanto é a lei da vida: nascer, crescer, viver e morrer… 

    Últimas