Exposição coletiva retrata o corpo humano em seus conflitos pós-modernos

  • 25/09/2016 07:00

    Termina no dia 30 de setembro a Exposição Coletiva – O Corpo como Poética na Pintura Contemporânea. A mostra está aberta à visitação no Centro de Cultura Raul de Leoni, na sala Djanira. A iniciativa reúne parte da produção de docentes, discentes e graduados pelo Curso de Graduação em Pintura da Escola de Belas Artes, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

    A artista Ana Clara Guinle, que tem seus trabalhos expostos nessa mostra, revela que ficou sabendo da oportunidade de montar uma exposição por uma amiga, que também é artista. Na época, estavam abertos os editais de ocupação para as salas do Centro de Cultura Raul de Leoni. "Como sou petropolitana e membro do grupo de pesquisa, que dá nome à exposição, decidi levar a proposta para os outros artistas e juntos decidimos nos inscrever no edital de ocupação da sala Djanira, onde estamos expondo agora", conta.

    A iniciativa é coordenada pelo professor e mestre Lícius Bossolan, e pela professora e doutura Martha Werneck, artistas e professores no curso de Graduação em Pintura da UFRJ, também residentes em Petrópolis. Além disso, a escolha do 'tema' da exposição –  a representação do corpo através da pintura figurativa – é de fato um ponto que conecta os trabalhos dos artistas. De acordo com Guinle, na pesquisa de cada um, o corpo assume diferentes significações. "A linguagem comum entre nós é a pintura e as diferentes abordagens do corpo por meio das imagens enriquecem uma exposição coletiva". 

    A artista revela ainda que o grupo de pesquisa apresenta uma grande diversidade de técnicas desenvolvidas e abordadas por cada integrante. "Temos desde a técnica a óleo sobre madeira mais tradicional até impressões digitais com intervenções em pintura a óleo, encáustica, acrílica, aquarela e colagens. Também trabalhamos com o resgate da técnica de pintura a óleo sobre metal, que data de meados do século XVII, desenvolvida através de pesquisas do prof. Lícius. Exibimos também nossos diários de pesquisa, espaço de criação do artista tão necessário para o desenvolvimento do pensamento plástico e do conjunto dos trabalhos, e amadurecimento da poética de cada um".

    A reação do público a exposição foi bastante positiva. Os comentários dos visitantes revelam a surpresa e admiração pelos trabalhos expostos. Ana Clara conta que no dia da abertura muitas pessoas estiveram no local para prestigiar a mostra. "Recebemos a visita de pessoas que nunca vi! Acho isso maravilhoso! Percebi que quem entrava na exposição realmente olhava cada trabalho e circulava mais de uma vez pela sala. Tomara que muita gente tenha sonhado, refletido acerca do que viu naquele dia".

    A artista explica que, nessa exposição, escolheu apresentar a série “Corpos confeccionados”, e também a instalação “Estampa de abraço”. "A série apresenta desconforto e vulnerabilidade, trabalhando a ideia do corpo feminino costurado, venho refletir sobre a imagem da mulher pós-moderna e como relaciona seu corpo com o mundo. Mundo onde a sexualidade da mulher é muitas vezes reprimida".

    Já no trabalho Estampa de Abraço, Guinle revela que o vestígio de um abraço em um vestido faz reviver o momento de uma troca de carinho. "Vestido que pertenceu a minha avó, abraço que recebi." Segundo Ana Clara, o pensamento poético transita entre os indícios da ausência e a existência. "Partindo do corpo, muitas vezes autobiográfico, recrio e coloco em questão a imagem da mulher pós-moderna na sociedade contemporânea e trabalhando o conceito de índice na imagem, o corpo torna-se um carimbo, vestígio, memória que amarelece com o tempo".

    Sobre os demais participantes, os artistas/pesquisadores investigam a representação do corpo e da sua significação dentro de questões contemporâneas, visando realizar conexões entre a identidade daquele que é representado e a sua condição dentro de um mal-estar pós-moderno por todos do grupo compartilhado.

    "Cada artista direciona seus trabalhos de forma independente e original. Lícius aborda a melancolia; Martha trabalha com autorretratos que tratam de sua autobiografia e da figura das ofélias, apontando a fragilidade e a questão do artista como ser criador; Bruna tem no gesto corporal, no nu masculino e na dança contemporânea suas principais inspirações; Frederico critica o consumo da figura feminina; Letícia, que trata da questão das máscaras da sociedade e Andressa aborda em seus trabalhos o que a negação do rosto em um retrato pode causar na leitura da identidade do sujeito", conlui Guinle.

    Os trabalhos podem ser visitados até a próxima sexta-feira, dia 30 de setembro. O horário de visitação é das 10h às 18h30. A entrada é gratuita.


    Últimas