‘CPI do Covidão 2.0’ pode ser aberta pela Câmara dos Vereadores

26/jul 03:30

Passado um mês da suspensão na justiça da CPI do Covidão –  servidores e ex-funcionários obtiveram uma liminar sob a alegação, entre outras coisas, da  ampliação das investigações por toda a gestão Bernardo Rossi deixando de lado o período de pandemia – vereadores podem tentar emplacar a versão 2.0. Como não conseguiram reverter judicialmente a suspensão podem começar tudo de novo. Esperamos que, desta vez, com o objeto certo, para não acabar no tapetão novamente.

A hora é essa

Mas, até emplacar uma nova comissão podem fazer barulho. Um dos temas da CPI do Covidão era o pagamento de UTIs de pacientes que estavam em alta médica, mas que permaneciam nas unidades porque o Hospital Nossa Senhora Aparecida não tinha leitos clínicos, somente os de tratamento intensivo. Se os vereadores da CPI já tiverem alguma respostas às perguntas que não querem calar como essa já podem enviar ao Ministério Público Estadual que conduz investigação sobre desvio de verbas no HNSA…

Qual destino?

Taí uma boa questão para vereadores irem fiscalizar na prefeitura. Quantos termos de compromisso são assinados por mês, por exemplo, prevendo doação de mudas de árvores? E onde são plantadas, principalmente? Apenas em uma única leva, de um acordo compensatório sobre a intervenção de um imóvel, a prefeitura vai receber 470 mudas de araucária, nativa da Mata Atlântica.

A associação de moradores de Corrêas faz um tremendo esforço para a manutenção de praças e locais públicos do bairro com limpeza, pintura e plantio de flores. Mal acabaram de dar uma guaribada nos postes apareceu a galera da ‘publicidade’. Como nos cartazes há telefones de contato não deve ser difícil de a fiscalização de posturas multar.

Caô

Xiiii, não vai prestar, não. Tem vereador, mesmo sabedor de que indicação aprovada não significa que será cumprida pela prefeitura, indo para as redes sociais documentar as sugestões ao poder público e dizer: fiz a minha parte e se a prefeitura não atende aí já não é comigo. O prefeito interino Hingo Hammes não está gostando nadinha disso e a população não cai nesta conversa.

Dois pesos…

Dia desses um fiscal reclamou da fila de um restaurante em Itaipava que tinha pouco distanciamento. Sobre a fila nos ônibus que também andam lotados e que levam os funcionários do restaurante ao trabalho e para casa eles não falaram nada, não.

E os carros?

Depois que falamos aqui sobre a bandeira de campanha de alguns eleitos a vereador a “vou cassar o mandato do vereador Dudu”, um Partisans chamou a atenção para que a gente inclua: “vou abrir mão do carro oficial”. Quando começam?

Em umidade

A fiscalização – seja do Inea, da Defesa Civil ou da Secretaria de Meio Ambiente – precisa chegar urgente nos distritos. A quantidade de lixo sendo queimado nesta estiagem é grande. Em alguns lugares é difícil até de respirar.

Tudo igual

Conforme os Partisans anteciparam, a prefeitura renovou por mais um ano o contrato com as empresas de coleta de lixo Força Ambiental (R$ 3 milhões mensais) e PDCA (R$ 450 mil mensais). O contrato com ambas vem sendo renovado desde 2018 e elas também, antes, em 2017, operaram com contrato emergencial até que tivesse sido realizada licitação. Partisans estão curiosos em saber o que acham os vereadores que falam que o interino Hingo Hammes é ‘um de nós lá’ e nutriam muitas esperanças de mudanças…

Contagem         

Petrópolis está há 206 dias sem prefeito eleito pelo povo.

Não tem mais

Você conferiu aqui nas páginas de Cidade da Tribuna as filas para cirurgias e exames, levantamento feito pela Defensoria Pública. E aí ficamos pensando: e os mutirões de consultas, exames e cirurgias para zerar as filas? Na gestão interina de Hingo Hammes foi feito apenas um, de consultas, em janeiro. Depois não se falou mais nisso.

E a rotatória?

Uma pergunta que não quer calar entre moradores e comerciantes das Duas Pontes. Em que ano será construída a rotatória do bairro? Ela consta do Plano de Mobilidade urbana iniciado em 2012 (adiado por sete vezes) e só finalizado em 2019, condição para recebimento de verbas federais. E, desde então, não se falou mais nisso. Naquela ocasião o Plano vislumbrava ações para uma década e já se passaram quase três anos.

Leila Reith fez essa pintura de foto do Pórtico do Quitandinha emoldurado pelas cerejeiras.

Relógio das Flores

É mais uma gestão que não consegue acertar: o Relógio das Flores continua sem… flores! Bacana ter consertado ponteiro e o mecanismo, mas é preciso florir.  A troca das flores ali precisa ser per-ma-nen-te! Morreu, planta. Aliás, transfere uma flor já graúda e adulta. Se ficar só na mudinha vai continuar sem flores. 

Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br     

Últimas