Veterinário tira dúvidas sobre contaminação da covid-19 em pets

  • 19/04/2020 08:00

    A resposta para a primeira dúvida dos tutores é: não. Não há estudo científico até o momento que comprove que cães e gatos possam adquirir ou transmitir o novo coronavírus. Neste momento em que todos têm que fazer a sua parte para tentar frear a contaminação pelo novo coronavírus, é hora também de pensar nos animais de estimação. Muitos tutores têm dúvidas sobre o manuseio com os pets por causa da Covid-19, e o médico veterinário Renan Caruso esclarece as principais perguntas. 

    Recentemente surgiu um boato de que na Bélgica um gato poderia ter sido contaminado pelo novo coronavírus. Mas o veterinário explica que o caso foi investigado e o boato desmentido. “Na verdade, pelo que foi visto pelo relato e pelo prontuário do gato, é que provavelmente o seu dono estava doente. O animal pode ter lambido alguma superfície, ou o próprio dono, ou ainda o pêlo do animal que poderia estar com vírus. E o vírus acabou sendo detectado nas suas fezes. Mas o gato em nenhum momento ficou doente e não há nenhum outro relato”, disse.

    O veterinário explica que o que pode acontecer é o cão ou gato carregar o vírus em sua pelagem. “Se alguém que está doente encosta em uma superfície, numa parede ou numa maçaneta de carro, e depois uma pessoa encostar neste mesmo local, pode contrair a doença, pela passagem por esses objetos. E com o pet funciona da mesma maneira, se alguém que está doente faz um carinho no pet, o animal fica com o vírus sobre o corpo e depois, se outra pessoa que não tiver com o vírus encostar no pêlo e encostar na narina, sem a lavagem das mãos, pode contrair”, disse.

    Isso explica a recomendação que vem sendo feita por especialistas, para que as pessoas que estejam com a Covid-19 evitem o contato também com os animais. Nestes casos, eles podem ser um meio transmissor. Não são os transmissores diretos, mas podem carregar o vírus superficialmente. 

    Segundo Renan, existe dois tipos de coronavírus, que foram descobertos há mais de 30 anos, que são transmissíveis unicamente entre os animais, mas que nunca foram transmissíveis para humanos. O coronavírus canino só é transmitido para cães, e para este existe vacina. Já o coronavírus felino, é transmissível apenas entre gatos, e para este não existe vacina.  

    “De forma alguma essa vacina para cães pode ser feita em humanos. Primeiro porque pode dar várias reações, e depois, porque não nos protegeria. Porque essa vacina é proteção contra o coronavírus canino. Todo animal faz o protocolo de vacina desde os 45 dias de vida; ele começa tomando a primeira dose de vacina dupla. E já faz a imunização para o coronavírus desde filhotinho”, disse o veterinário. 

    O coronavírus canino e felino, se não tiver uma doença preexistente, não traz grandes consequências para os animais. As reações mais comuns são diarreia, desidratação e vômito.

    Leia também: Protetores usam internet para driblar dificuldades de adoção e cuidados com animais

    Últimas