Após um mês de promessas, Estado sobe a Serra, mas deixa Petrópolis de lado

18/fev 17:20
Por Luana Motta

Um mês após a transferência da sede do Governo do Estado para a Região Serrana, o grupo de trabalho que vai acompanhar as ações anunciadas durante a visita do governador em exercício Cláudio Castro, já visitou Nova Friburgo, Teresópolis e Areal, mas Petrópolis continua na expectativa. Segundo o Governo do Estado, todas as cidades da Serra serão visitadas e serão realizadas reuniões em função do anúncio das intervenções que serão feitas nos municípios. Mas o Estado não deu previsão de quando essa visita vai acontecer.

Em Teresópolis, já foram iniciadas as intervenções nos rios Paquequer, Príncipe e Córrego do Imbuí. E também foi inaugurado Polo Cederj, no campus da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), no bairro Várzea. Em Nova Friburgo, o serviço de limpeza dos rios acontece no Córrego Dantas e no Rio Bengalas, onde foram iniciados trabalhos de recuperação ambiental, com desassoreamento, canalização e contenção de terrenos inclinados na beira dos rios. Em Friburgo também foi inaugurada uma Casa do Trabalhador, que já está em funcionamento.

Na cidade de Areal, estão em andamento os projetos para concluir e entregar o Conjunto Habitacional Granja Disco, que tem 153 casas populares. O pacote de obras inclui as construções da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e do reservatório de água, além do acesso viário de 800 metros entre o condomínio e a rodovia. Esse, segundo o Governo do Estado, com o processo licitatório sendo concluído em maio, tem entrega prevista para 2022.

Enquanto isso, em Petrópolis… Por aqui, foram anunciadas obras que já estão em andamento, como as obras de melhorias e revitalização da RJ-134 que foram iniciadas em 2020, no trecho entre Pedro do Rio e Posse. Está intervenção tem um investimento de R$ 21,7 milhões e tem previsão de conclusão em junho.

Uma intervenção anunciada e que está travada em processos burocráticos, muito antes da visita do governador em exercício, é o trabalho de desassoreamento dos rios Santo Antônio, Cuiabá e Carvão. O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) afirma que aguarda que o Ministério Regional do Desenvolvimento (MDR) faça a homologação da licitação de execução das obras. Essas intervenções fazem parte de um termo de compromisso firmado com o Governo Federal que prevê um repasse de R$ 75 milhões para prevenir e minimizar danos de enxurradas na Região. Já o Ministério afirma que a homologação foi feita e a liberação dos recursos ocorrem conforme o avanço da sobras e a entrega dos boletins de medição à Caixa Econômica Federal.

A Tribuna entrou em contato com o Governo do Estado, que respondeu que o grupo de trabalho tem vários representantes de diversas secretarias. Além de fazer um trabalho sistemático, o grupo está visitando e promovendo reuniões integradas com os municípios. Todos os municípios serão visitados sistematicamente. No entanto, ainda não foi informado o cronograma de trabalho.

O Instituto Estadual do Ambiente informa que o último ofício recebido da Caixa Econômica Federal (Ofício GIGOV 248/2021/GIGOV RJ) datado de 29 de janeiro de 2021, em seu item 1.5 informa ainda que depende da Autorização de Início de Objeto por parte do Ministério do Desenvolvimento Regional. Entretanto, diante da comunicação da autorização por parte do MDR, o Inea informa que fará os trâmites necessários para conceder a ordem de início ao contrato e início das obras.

Últimas