Trump promove comemoração de 4 de julho em Washington apesar de covid-19

04/07/2020 17:34

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai promover neste sábado uma comemoração do dia da independência em Washington, com fogos de artifício no parque National Mall. Enquanto isso, a prefeita da cidade pede às pessoas que fiquem em casa por causa de preocupações com o novo coronavírus, e manifestantes têm sua própria programação.

Chamado de “Saudação à América”, o evento de 4 de julho incluirá sobrevoos de aviões militares, uma enorme queima de fogos de artifício e pronunciamento de Trump na Casa Branca. Como os casos de covid-19 nos EUA atingiram novo recorde diário antes do feriado, os organizadores estão fornecendo 300 mil máscaras e incentivando fortemente o distanciamento social, mas nenhuma ação será tomada contra aqueles que não seguirem as orientações

Um comunicado do Departamento do Interior promete mais de 10 mil fogos de artifício lançados a partir de uma área de quase dois quilômetros de extensão. O evento não incluirá a enorme exibição militar do ano passado. Em 2019, a comemoração teve sobrevoos de caças, bandas militares e desfiles de tanques e veículos blindados, além de comentários do presidente do Lincoln Memorial

Leia também: Trump pretende acabar com programa que protege imigrantes que entraram nos EUA quando crianças

As festividades estão sendo ofuscadas pela pandemia de covid-19, e também pelos protestos após a morte de George Floyd sob custódia da polícia de Minneapolis. Ontem, durante visita ao Monte Rushmore, Trump criticou manifestantes que tentaram derrubar ou vandalizar estátuas e monumentos em meio a protestos em todo o país contra a violência policial e o racismo sistêmico

“Nossa nação está testemunhando uma campanha impiedosa para acabar com a nossa história, difamar nossos heróis, apagar nossos valores e doutrinar nossos filhos”, disse Trump, argumentando que havia um esforço em andamento por parte da esquerda para “acabar com a Revolução Americana.”

Em Washington, a prefeita Muriel Bowser pediu aos moradores que fiquem perto de casa e tenham cuidado ao organizar ou participar de reuniões. Embora a propagação do vírus tenha diminuído na área de Washington, ela enfatizou que novos casos continuam surgindo e pediu atenção. Até 2 de julho, Washington teve 10.454 casos positivos de coronavírus e 555 mortes. O distrito está na fase dois de sua reabertura, o que significa que academias e salões de beleza podem ser abertos com restrições, e os restaurantes podem oferecer refeições limitadas em áreas internas. A maioria das reuniões de mais de 50 pessoas é proibida, mas isso não se aplica a áreas federais.

Durante coletiva de imprensa, Bowser alertou sobre o evento no National Mall. Ela disse que analisou um anúncio do Departamento do Interior sobre os planos. “Comunicamos a eles que não achamos que isso esteja de acordo com as melhores orientações do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) e do Departamento de Saúde”. Ela observou, porém, que “esse evento ocorrerá inteiramente em propriedades federais”. Na sexta-feira, Bowser publicou no Twitter: “Só porque alguém o convida para uma festa não significa que você precise ir.”

Leia também: Trump anuncia rompimento dos Estados Unidos com a OMS

Monumentos no centro de Washington também serão pontos de encontro para uma série de protestos que, segundo os organizadores, chamarão atenção de forma pacífica para a violência contra a comunidade negra e outras causas. Os eventos estavam programados para começar às 10h (horário local) e continuar durante todo o dia até a noite, de acordo com as páginas de mídia social criadas pelos organizadores. Fonte: Dow Jones Newswires.

Últimas