Projeto social pede apoio para continuar levando ajuda às famílias em vulnerabilidade em Petrópolis

  • Continua após o anúncio
  • Continua após o anúncio
  • 21/jun 19:17
    Por Helen Salgado

    O projeto Aloha é um movimento solidário formado por jovens. Iniciado há um ano, pela Beatrice Nuñez, hoje, conta com 15 voluntários que já ajudaram mais de cinco mil famílias petropolitanas. Atualmente o projeto ajuda cinco instituições em Petrópolis e conta com duas mil famílias cadastradas. Beatrice Nuñes, idealizadora do projeto, conta que até o início do ano, eles estavam em um galpão de uma empresa da cidade. No entanto, recentemente toda a equipe precisou liberar o espaço devido a uma obra que seria iniciada no local.

    Com a mudança, as doações que estavam no galpão foram direcionadas para cinco locais diferentes, um desses lugares é uma sala comercial, onde também não pode ser feita movimentação. Após a mudança de endereço, o projeto teve custos de transporte, gasolina e locação de novos espaços. Com esses gastos, a conta que eles tinham zerou.

    O projeto Aloha está há quase um mês parado sem poder receber doações. Em uma situação complicada, eles pedem ajuda para continuar contribuindo com as famílias da cidade. “Somos um projeto sem apoio e sem vínculo político, por isso estamos em busca de pessoas que queiram nos apoiar nesta causa e nos ajudem a voltar às atividades”, afirma Beatrice.

    Além das entregas de cestas básicas, a equipe faz ações com pessoas que moram nas ruas, campanhas para doação de sangue, ações sociais voltadas para as crianças em comunidades, recreação em instituições infantis. Além disso, eles também promovem lives no Instagram com o objetivo de abordar assuntos que ainda são vistos como tabu. Essas lives são conduzidas por uma psicóloga.

    Como ajudar?

    Como o projeto está sem local que possa fazer movimentações, eles não estão recebendo doações. O que mais eles mais necessitam agora é levantar dinheiro para conseguir se reerguer. Para contribuir dessa forma, o Pix é 24 992964404 – Carolayne Moura Pereira.

    O projeto também está em busca de padrinhos que possam ajudar mensalmente com qualquer valor fixo. Para apadrinhar, basta entrar em contato pelo Instagram @projeto.aloha ou com a Beatrice pelo número 24 992634432. 

    Últimas