Som alto e baderna na Saldanha Marinho tira o sono dos moradores

  • Continua após o anúncio
  • Continua após o anúncio
  • 10/jun 08:00
    Por Helen Salgado

    Os moradores da Rua Saldanha Marinho e adjacências reclamam da perturbação e do som alto até tarde da noite. Segundo relatos, a bagunça ocorre sempre de quinta a domingo e, muita das vezes, não tem hora pra acabar.

    Moradores do bairro relatam que a bagunça ocorre no bar, localizado debaixo do Clube Coronel Veiga. Foi criado um grupo no WhatsApp com os moradores da Praça Pasteur para discutir o que poderia ser feito no local, já que, frequentemente, ocorrem brigas entre os participantes e até uso de drogas. Além disso, um outro problema que os moradores enfrentam é a sujeira na praça após as festas.

    Segundo um dos residentes do bairro, diversas pessoas estão se retirando de suas próprias residências nos finais de semana por não aguentar mais a perturbação no local que já acontece há meses.

    “Quando a polícia militar tá ali de plantão, não tem muita bagunça não. Eles respeitam, mas quando não estão, a gente não aguenta. É moto fazendo barulho com o cano de descarga aberto duas, três horas da manhã. A gente que acorda cedo, que é trabalhador, chega no dia seguinte e não aguenta, vem trabalhar cansado porque a gente não consegue dormir”, desabafa um dos moradores.

    Segundo a Prefeitura de Petrópolis, a Secretaria de Serviços, Segurança e Ordem Pública da Prefeitura intimou três bares, no fim de maio, a suspender a execução de música em alto volume (acima de 55 decibéis) na Rua Saldanha Marinho, em frente à Praça Pasteur.

    O município informou, ainda, que as intimações foram feitas pela fiscalização de Posturas, que voltará ao lugar e que a fiscalização tem atuado em conjunto com a Polícia Militar na operação semanal Praça do Bem, que integra a Prefeitura e o Estado em ações de manutenção da ordem urbana.

    A Tribuna questionou a Polícia Militar, mas até o fechamento da matéria não recebemos resposta.

    Últimas