“Objetos verbais, conversas tangíveis”: uma mostra do artista belga John Van Borsel

  • Continua após o anúncio
  • Continua após o anúncio
  • Por Aghata Paredes

    “O mais bonito de trabalhar com esculturas é poder representar partes da vida o mais puramente possível, sem todos aqueles detalhes desnecessários, compartilhando experiências comuns ao público.”, é assim que o artista belga John Van Borsel define a beleza de sua arte. 

    Foto: Divulgação – Grumpy old men, uma das esculturas disponíveis na mostra 

    John nasceu na Bélgica, é neurolinguista e professor aposentado, além de escultor. Depois que conheceu sua esposa, em um congresso em Montreal, veio morar no Brasil. Desde então, o casal vive numa casa de campo em Petrópolis. “Há alguns anos nós temos uma casa tipo “cottage” na Fazenda Inglesa. Para decorar a casa lemos revistas como ‘Casa e Campo’. Em uma dessas leituras li um artigo ensinando a fazer colheres de pau. Achei interessante e comecei a fazê-las. Depois disso comecei a produzir esculturas, não mais colheres, e a trabalhar com o cobre.”, conta. 

    O artista menciona que, para algumas pessoas, fazer pesquisas na faculdade e obras de arte podem ser duas realidades distantes. “Em ambas busco a essência da vida e, para isso, é necessário criatividade.”

    O nome da mostra, “Objetos verbais, conversas tangíveis”, segundo ele, ajuda as pessoas a olharem além da matéria. “O nome da exposição faz referência ao conhecimento do ser humano. Dessa forma, cada uma das obras não é apenas uma simples matéria, mas uma conversa com o público. Assim, as esculturas não são apenas objetos tangíveis, mas também verbais.” 

    Foto: Divulgação –  Escultura intitulada como Sitting

    Sobre o processo criativo, John conta que às vezes uma escultura começa com uma ideia e a matéria serve para torná-la possível. Outras, especialmente nos casos em que as esculturas são de madeira, a ideia está oculta esperando para ser revelada. 

    Quem visitar a mostra pode esperar por uma experiência desprovida de qualquer característica artística obrigatória. Isso porque as criações têm um caráter universal, misturadas às experiências do artista no país em que ele nasceu. 

    Foto: Divulgação – The swing 

    A vernissage do evento será amanhã, 2 de abril, a partir das 14h, na Galeria Cultural do Shopping Estação Itaipava. A mostra é gratuita e estará aberta à visitação até o dia 24 de abril. 

    Últimas