O sofrimento das mães de viciados em drogas

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio

  • 08/05/2016 08:30

    “O meu Dia das Mães de hoje será igual ao dos últimos anos. Desejando que eles me digam que querem e vão mudar para melhor, e convivendo com a decepção, frustração e sensação constante de que errei como mãe. Sentimentos presentes nos meus pensamentos dia após dia. Gostaria de vê-los tomando novos rumos e direcionando suas vidas para um caminho melhor. Longe da criminalidade”. É assim que uma mãe, que preferiu não se identificar, de 58 anos, tem vivido. Esperando que os dois filhos, de 25 e 30 anos, decidam parar de usar e vender drogas.

    O filho de 30 anos foi preso aos 26 e cumpre pena de 9 anos e três meses de reclusão por tráfico de drogas. O rapaz de 25 anos, há quase dois anos também se envolveu com o consumo e venda de entorpecentes na comunidade onde vive, e de acordo com a mãe, já possui “status” entre os usuários de drogas, fato que tem gerado grande tristeza em toda a família. O rapaz, que está há 8 meses sem emprego por não cumprir horários e obrigações dos serviços, sustenta o vício, as saídas à noite, créditos no celular, entre outros, com a venda de drogas. 

    “Como ele já possui esse “status”, em poucos minutos ele consegue vender toda a droga que compra a mais, ou seja, além da que ele vai consumir, e consegue dinheiro fácil. Já tentei conversar diversas vezes com ele, que tem o exemplo do irmão para saber qual será o futuro dele, porém ele não me ouve. E é justamente essa incapacidade de reverter essa situação que consome a mim e minha família. Por isso, dei a ele o prazo até dia 20 deste mês para sair dessa vida, caso contrário, irei entregá-lo para a polícia”, disse visivelmente abalada.

    Já o mais velho afirma que ao sair da prisão não retornará ao mundo do crime. “Ele afirma que vai mudar de vida e cuidar da família, porque ele tem uma filha pequena e uma esposa muito dedicada e trabalhadora que o espera até hoje. Mesmo assim, descobri que ele tem usado a liberdade do irmão mais novo para pedir favores, como colocar recarga em celular, que apesar de ser proibido ter dentro dos presídios, é muito comum e posso afirmar que todos possuem”, contou alarmada. 

    De acordo com ela, o poder público precisa mudar a forma de tratar os adolescentes e jovens presos por uso e tráfico de drogas. Além de criar políticas públicas que funcionem de fato e possam evitar que outras pessoas ingressem nesse estilo de vida, ou seja, ações de prevenção. Assim como também sair dela. Dados da Polícia Militar também apontam essa necessidade. Isso porque até o dia dois de maio, 46 menores foram apreendidos e 193 maiores detidos na cidade. Além disso, 1.980 ocorrências já foram realizadas, que resultaram na apreensão de 6,4 kg de cocaína e 9kg de maconha, e 21 armas foram apreendidas.  


    Especialista em dependência química acompanha drama da família há seis anos

    Diante de tanta aflição e impossibilidade de ajudar, a mãe dos dois jovens envolvidos com drogas procurou a ajuda da psicóloga especialista em dependência química, Leandra Iglesias, para tentar lidar com a situação. A profissional também acredita que muitos pontos precisam ser modificados. 

    “Tenho vários questionamentos com os métodos utilizados atualmente, como por exemplo, que acompanhamento dos menores apreendidos cometendo esse tipo de crime recebem? Quem os monitora quando são sujeitos a cumprir penas alternativas, como a doação de cestas básicas? Além disso, quem lida com esses jovens? A maior parte das pessoas não sabe como deve agir nesses casos e o que precisam fazer, pois não existe uma política pública que trate de maneira eficaz dependentes de álcool e outras drogas. Além disso, existe uma rede de atuação do tráfico, que angaria cada vez mais pessoas, de uma forma assustadora. A média de idade das pessoas que começam a consumir álcool e drogas no mundo, Brasil e também Petrópolis é de 12 anos. Por isso, precisamos parar para analisar a gravidade da situação e criar formas de impedir que outras famílias passem pelo que essa e tantas outras mães passam”, disse.


    Últimas