Novo Centro Tecnológico em construção tem previsão de gerar até 1.200 empregos

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio

  • 23/jan 09:30
    Por Vinícius Ferreira

    O bairro Quitandinha, em Petrópolis, que abriga o maior parque tecnológico do interior do Estado do Rio de Janeiro, o SerraTec (Parque Tecnológico Região Serrana), além do Laboratório Nacional de Computação Científica – LNCC (órgão de pesquisa federal vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações – MCTI) está prestes a expandir a vocação para a tecnologia. Um empreendimento de duas construtoras da cidade deu início à criação de um Centro Tecnológico, que vai abrigar cinco prédios, lojas e salas comerciais, um apart hotel e apartamentos residências à beira do lago Quitandinha.

    Segundo o diretor da Engeprat (que ao lado da construtora Solidum está por trás do projeto), Luiz Fernando Gomes, o objetivo é atrair empresas do setor de tecnologia para a cidade, além de gerar empregos qualificados. “A expectativa de empregar de 250 a 300 pessoas diretamente, só na obra. Futuramente, quando estiver concluído, cerca de 1.200 pessoas”, informou.

    A etapa de terraplanagem do terreno de 12.800 m² já teve início e a previsão é de que o empreendimento seja concluído no período entre 24 e 36 meses. Ou seja, entre 2024 e 2025. O projeto prevê 21 mil metros de área construída. A previsão é de que o lançamento aconteça entre março e abril. O empreendimento abrigará restaurantes e centro de convenções. Ele foi concebido na ideia de que as empresas que se instalam em Petrópolis buscam uma cidade com mais segurança, além de poder contar com a estrutura do LNCC que fica ao lado do terreno. O Quitandinha é um bairro nobre da cidade, de fácil acesso à BR-040, uma das rodovias mais importantes do país, que conecta a cidade a muitos estados da região Sudeste, fora a importante proximidade com a capital (Rio de Janeiro). “E há ainda a possibilidade de que ocorra nos próximos anos uma licitação para a construção da da nova pista de subida da Serra de Petrópolis”, avalia o empresário.

    Serratec aposta no projeto e na capacitação de mão de obra qualificada

    O Serratec, que representa a união do setor de tecnologia das três principais cidades da Região Serrana Fluminense (Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo), aposta que a criação de infraestrutura adequada, aliada à qualificação da mão de obra para atuar no setor, será um passo fundamental para transformar o bairro da cidade e, consequentemente o pólo tecnológico da região Serrana do Estado em um dos mais importantes do país.

    Atualmente, no setor de TIC, as três cidades juntas contam com cerca de 170 empresas, empregando mais de três mil profissionais, com um faturamento de R$ 585 milhões anuais. Empresas que trabalham na produção de software, de novas tecnologias, em projetos de inovação e com pesquisa e desenvolvimento.

    Para o diretor do Serratec, Guilherme Motta Alves, apesar das transformações de modelos de trabalho que a pandemia trouxe, a infraestrutura gerada pelo empreendimento no Quitandinha vai ser fundamental no momento pós pandemia. “Apesar da mudança no cenário econômico, no que a gente acredita ser um pós-pandemia se aproximando, mesmo com a consolidação do home office, a gente entende que o modelo pós pandemia será híbrido, por isso o espaço físico é tão necessário. Temos certeza que será super aproveitado”, destaca.

    Segundo o diretor do Serratec, já há interesse de empresas de tecnologia. “A gente tem recebido muitos contatos de interesse real de várias empresas. Ainda não tem nada fechado de trazer essas empresas, mas a gente sabe que esse programa (fomentado pelo Serratec) de formação de residência em software e infraestrutura vai fomentar mais mão de obra qualificada e sabemos que a mão de obra é uma questão importante para as empresas de base tecnológica. Então, naturalmente, esse movimento vai acontecer”, avalia.

    A aposta é ainda na formação de novas empresas e qualificação das que já integram o Parque Tecnológico da Regão Serrana. “A gente trabalha para que o Quitandinha seja um bairro que abriga essas empresas de tecnologias. O Serratec tem apoiado a iniciativa da Engeprat e da Solidum, através desse empreendimento que está sendo criado lá. É super importante ele estar no bairro, estar em frente ao LNCC e estar perto hoje do prédio onde fica instalado o Serratec. Temos certeza absoluta que esse espaço é importante para atração de novas empresas, para o nascimento de outras, de startups. Temos todo o interesse em fomentar o nascimento dessas empresas. Além de contribuir para o crescimento das empresas que hoje já fazem parte da base tecnológica do Serratec. É um círculo virtuoso de crescimento, atração e nascimento de empresas que um centro tecnológico proporciona”, pontua.

    Últimas