Município decreta estado de emergência e aponta prejuízo de R$ 16 milhões em razão das chuvas em janeiro

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio

  • 17/jan 21:24
    Por Redação/ Tribuna de Petrópolis

    A Prefeitura divulgou na noite desta segunda-feira(17), que está decretando estado de emergência. De acordo com a Prefeitura, há a necessidade de realização de obras estruturais em diversos pontos que sofreram com deslizamentos de terra e interdições, o prejuízo foi estimado em R$ 16 milhões e, segundo o município, pode chegar a R$ 60 milhões. Desde o início de janeiro, a Secretaria de Defesa Civil registrou mais de 400 ocorrências e há, pelo menos, 233 pessoas desalojadas ou desabrigadas no município em razão das chuvas. 

    “Em um primeiro momento, conseguimos desobstruir a maior parte das ruas, mas precisamos fazer muitas obras para conter as encostas e dar segurança e tranquilidade. Decretamos emergência, pois exigimos atuação do Governo do Estado, que até agora foi praticamente inexistente. Vale lembrar que até este exato momento, ou seja, passados mais de dez dias, o governador não compareceu à cidade. Mas esperamos que ele venha, antes tarde do que nunca”, disse o prefeito Rubens Bomtempo. 

    De acordo com a Prefeitura, a Defesa Civil estadual, em contato com a secretaria municipal, já destacou que a situação de Petrópolis é a mais grave do Estado. Isso porque, no noroeste fluminense, houve apenas inundações, e, nestes casos, a recuperação é mais rápida. No caso de Petrópolis, a resposta depende de obras estruturais, como nos casos da Rua Pedro Elmer, no Itamarati; na Rua Henrique Paixão, no Floresta; e na Posse, onde até mesmo uma rua afundou. 

    O secretário de Defesa Civil, tenente-coronel Gil Kempers, disse que a análise preliminar do Estado incluiu Petrópolis no segundo nível de emergência, o que permite à cidade, inclusive, receber auxílio humanitário. 

    “Conversamos bastante com a Defesa Civil estadual e enviamos a documentação necessária para homologar o estado de emergência. Temos um passivo grande com relação às obras necessárias para reconstruir e restabelecer a normalidade. Comparativamente aos municípios que já pediram a situação de emergência no Estado, a nossa situação é pior, por demandar obras estruturais”, informou Kempers.

    Relatório de impactos da chuva envolve diferentes setores do governo

    De acordo com a Prefeitura, a decisão pela decretação de situação de emergência, leva em consideração as ações de recuperação que serão necessárias em diversas localidades. Estas áreas serão identificadas a partir de levantamento feito com representantes das secretarias de Defesa Civil, Obras, de Assistência Social, de Serviços, Segurança e Ordem Pública, de Administração, de Educação, de Saúde, além da Comdep e CPTrans. 

    Nesta segunda (17), o município informou que recebeu técnicos da Secretaria de Defesa Civil estadual, que juntamente com os municipais percorreram alguns pontos considerados de maior gravidade como no Floresta, no Itamarati e na Posse. 

    Segundo a Prefeitura, a determinação será publicada em Diário Oficial, e o Governo do Estado já foi oficiado. A decretação de emergência tem como base a Instrução Normativa nº 36 de 04 de dezembro de 2020, do Ministério do Desenvolvimento Regional.

    Últimas