Morte de morador de rua evidencia falha na política de acolhimento desta população

  • Continua após o anúncio
  • Continua após o anúncio
  • 29/jun 02:29

    No mesmo dia em que os Partisans expuseram aqui o crescimento da população de rua na cidade, a morte de uma dessas pessoas foi registrada ontem.  A quantidade de pessoas morando nas ruas saltou de 130 em 2017 para 354 inscritas no CadÚnico, que dá acesso a benefícios do governo federal, que se autodeclararam em situação de rua, número ainda de 2020, um aumento de 172%.

    É preciso ação

    A situação é bem delicada, afinal, a pessoa tem o direito de recusar a ser recolhida para um abrigo – normalmente por causa das regras de não uso de álcool e substâncias ilícitas – porém, é preciso uma ação de reintegração dos indivíduos. Mas, antes de tudo é necessário acolhimento nesta época de tanto frio. Além das marquises do shopping Pedro II, os moradores de rua estão no Bosque do Imperador e na Travessa Prudente Aguiar.   Mas, não apenas nesses locais, em todos os cantinhos onde há uma marquise, a gente encontra pessoas em situação de rua, do Centro à Posse porque não é exclusividade do primeiro distrito.

    E o Plano Inverno?

    Falando nisso, já estamos no inverno desde o dia 21, correto? E o Plano Inverno 2022? Não teve lançamento, não anunciaram nada, não mencionaram combate às queimadas (porque quando acontece tornam as áreas ainda mais vulneráveis a desabamentos no verão) entre outras ações.  E pode parecer um assunto de menor monta, mas faz diferença uma campanha do agasalho, a divulgação das operações de acolhimento das pessoas, um canal de comunicação com o poder público para avisar sobre moradores em situação de rua…

    Pro verão dá tempo

    E sendo assim, não custa nada deixar registrado: o verão começa oficialmente 21 de dezembro, às 18h48.  Mas a gente costuma ter problema de chuva forte já no final de novembro.

    Hoje, a data mais importante da cultura de Petrópolis, a gente destaca essa foto de alunos da Escola Robert Kennedy que foram conhecer o único exemplar arquitetônico de como viviam os primeiros colonos germânicos de Petrópolis, no Museu Casa do Colono Alemão.

    Fator Dudu

    Seria o vereador Dudu a nova liderança política da cidade? Porque ele reuniu segunda-feira, mais de duas mil pessoas sob o pretexto de prestar contas de seu mandato na Casa de Portugal e trouxe nada menos que o presidente da Alerj ( e pré-candidato ao Senado), André Ceciliano.  E também estava lá o prefeito Rubens Bomtempo. Dudu deu a chance a Bomtempo e Ceciliano de agradecer à força de trabalho que atuou nas enchentes e que estava lá em peso.

    Dudu é mesmo uma peça

    Eu não sei, não. Dizem que André Ceciliano ganhou neste evento o apoio público de Bomtempo que seria uma ‘peça relevante no xadrez eleitoral’. Longe de os Partisans semearem a intriga e a discórdia, mas essa peça tá mais pra Dudu mesmo tendo em vista a popularidade do atual prefeito.

    Dudu, a nova liderança política em Petrópolis, levou duas mil pessoas para incensar Rubens Bomtempo e o presidente da Alerj, André Ceciliano, em evento que reuniu trabalhadores das frentes de trabalho das enchentes. Deixa só o Molon saber disso…

    Extinção de cargos

    Foi publicada no Diário Oficial do Estado ontem a decisão do Tribunal de Justiça do Estado que declarou inconstitucionais artigos de leis municipais que criaram cargos comissionados e funções gratificadas na prefeitura.  Como a gente falou na semana passada, seriam 42 cargos em comissão espalhados pelas secretarias nesta situação e apenas 10 servidores concursados lotados na Procuradoria do município. A decisão incide em vários artigos das leis municipais 7.200/2014, 7.510/2017 e 7.512/2017. OU seja, uma de Bomtempo e duas de Bernardo Rossi.

    Substituição

    Também foi declarado inconstitucional um dispositivo de lei que dizia que quando houvesse assessoria jurídica nas secretaras ficava dispensado o parecer da Procuradoria. Estes cargos, de assessoria, eram de livre nomeação dos prefeitos…

    Ainda as flores

    E o fretamento de um ônibus para Holambra, em São Paulo, Capital Nacional das Flores, que a gente mencionou aqui, foi para um grupo de produtores rurais de Petrópolis. Eles fazem a viagem há 15 anos com apoio do poder público para ter acesso à tecnologia e melhor a produtividade. E a cidade tem pelo menos 70 produtores de flores.  Falta então a prefeitura melhorar a visibilidade do apoio que dá ao setor e ao próprio segmento.

    Memória fraca

    E a prefeitura anunciou que as comemorações pelo Dia do Colono, hoje, “voltam às suas origens sendo transferida para o Obelisco”.  Não, gente. Há anos é realizada no Obelisco e depois segue com culto ecumênico no Palácio de Cristal. Só não vai ser assim esse ano – com o culto sendo na Igreja do Sagrado – porque o Palácio está em obras…

    Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br

    Últimas