Mais um adiamento: licitação para a BR-040 só em 2023

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio

  • 14/maio 03:13

    No ano passado a previsão do Ministério da Infraestrutura era licitar a concessão da BR-040 entre Rio e Belo Horizonte, incluindo o nosso trecho, até Juiz de Fora, ainda em 2022.  Mas o prazo já mudou. Agora o governo federal prevê novo leilão de concessão da BR-040 somente no primeiro semestre do próximo ano, informação oficial dada à comissão da Câmara dos Deputados, que acompanha a tragédia das chuvas.  A estimativa é de que com um trecho mais amplo – extensão total de 472 quilômetros do Rio a BH – o pedágio fique mais barato.

    Pedágio proporcional

    Como está em vigor a lei 14.157/21 que estabelece a cobrança proporcional de pedágio por quilômetro rodado, o sistema free flow, o leilão da BR-040 vai ser feito sob esta nova regra.   Para o morador de Petrópolis, em um cálculo não oficial, o pedágio pode cair à metade. Mas até lá vai continuar doendo no bolso os R$ 11, 60 que pagamos atualmente pelo trecho de 20 quilômetros da serra.

    Pelo zap

    Uma dica para toda a cidade: comunidades criarem grupos de Whatsapp de suas ruas e incluírem o vereador que se diz representante da localidade.  Moradores de alguns bairros fizeram isso e os vereadores ficam loucos com tanta cobrança. Por nada!

    E se a Princesa Isabel vivesse nos dias atuais? Como ela seria? O artista digital Hidreley Dião, de Botucatu, um mago que envelhece ídolos mortos e transforma desenhos em figuras reais, viralizou essa imagem nas redes sociais, uma homenagem ao 13 de Maio.

    Casamento é um bom negócio

    Muita gente questionou a importância de Petrópolis ser a Capital Estadual do Casamento. E isso pode ser mostrado com números.  Só este ano no Brasil serão feitos 1,6 milhão de casamentos, 25% a mais do que em 2021.  Considerando média de R$ 40 mil são R$ 64 bilhões no setor. Mas isto muito por baixo porque algumas cerimônias são milionárias. E casar em Petrópolis, além de glamouroso, custa caro.

    Não fui eu!

    E os vereadores, tadinhos, tão por aqui já com as cobranças sobre o reajuste da passagem de ônibus e vêm repetindo a cantilena: “esse assunto não passa pela Câmara, não interferimos”. Mas, bem que podia passar, né? Podia dar uma mudada na legislação e passar pelo legislativo também, porém sem poder de decisão, que fique claro, porque senão…

    Fica a dica

    Em Japeri, o vereador Tiago Careca, cansado de cobrar que a prefeitura tornasse público o custo da obra de uma praça tomou ele mesmo uma providência. Mandou fazer um adesivo com o valor de R$ 4 milhões – isso mesmo: a obra custa essa fortuna – e colocou na placa que informava apenas que a intervenção estava em curso. Aí, Lessa!

    Crl+C e Crl+V

    Vítima de um ‘copia e cola’ do Tribunal de Justiça em uma sentença que o condenou por improbidade administrativa e que o impedia de tomar posse, o prefeito Rubens Bomtempo, também deu uma escorregada no assunto. Na sessão de quarta-feira na Câmara vetou um projeto que pretendia a criação de um Dossiê Mulher de Petrópolis como se fosse do vereador Maurinho Branco, o que estava escrito no texto embarreirando a iniciativa. O projeto era, na verdade, de Gilda Beatriz.

    Cultura indígena

    Moradores e turistas tem a chance de um programa diferente hoje que mostra as raízes culturais do país. O grupo indígena Fulni-ô se apresenta às 11h, nos jardins da Casa Petrópolis Eles vivem no sertão de Pernambuco e constituem hoje o único povo indígena do Nordeste que manteve viva e em uso sua língua nativa, chamada Ia-tê. Atingidos de várias maneiras e por vários séculos pela exploração e ocupação de seu território original, a população Fulni-ô representa hoje um caso exemplar de resistência étnica e resiliência cultural.

    Esse é o Harranys Madjwa do grupo indígena Fulni-ô que se apresenta hoje, às 11h, nos jardins da Casa Petrópolis.

    Eu, hein!

    Golpistas usaram a foto do perfil do whatsapp do vereador Fred Procópio para aplicar um golpe. Pediam dinheiro. Mas, quem, gente, em sã consciência vai fazer um Pix para um vereador?

    Sede ao pote

    Esses dias um motorista mal tinha estacionado em uma das vagas do rotativo no Centro da cidade e já tinha um controlador da SinalPark anotando a placa, certamente para dar uma multa administrativa. “Não tinha ainda nem desligado o motor do carro”, reclamou o motorista com os Partisans.

    Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br

    Últimas