Linha Verde termina 2021 com maior número de denúncias já atingido pelo programa; em Petrópolis foram 633

14/jan 08:12
Por Redação/Tribuna de Petrópolis

Dados do Linha Verde, programa do Disque Denúncia exclusivo para crimes ambientais, indicam que o ano de 2021 terminou com o maior número de denúncias já atingido pelo programa, desde 2013, data de sua criação. No total, foram 17.356, um aumento de 20% na comparação com o ano de 2020. As denúncias sobre meio ambiente recebidas no ano passado, representaram pouco mais de 21% de todas as informações chegadas à central do Disque Denúncia.

Setembro registrou 1.684 denúncias e foi o mês com a maior incidência de informações sobre o meio ambiente. Já fevereiro foi o mês com menor demanda. Foram 1.143 denúncias contabilizadas.

O balanço do Linha Verde ainda destaca que foram mais de 650 mil metros quadrados de área degradada identificados. Número quatro vezes maior que o registrado em 2020, 163.549 metros quadrados. Mil e nove animais silvestres foram resgatados de cativeiro sem as licenças ambientais necessárias; 330 gaiolas apreendidas; 64 kg de peixes pescados de forma irregular ou em período de defeso; cinco balões; 307 materiais utilizados na confecção de balões; 62 tubos e carretéis de linha chilena e 53 sacolés contendo cerol.

Sobre os tipos de assuntos denunciados ao Linha Verde, é possível constatar que “maus tratos contra animais” (8.984), “extração irregular de árvores” (1.943), “desmatamento florestal” (1.857), “poluição do ar” (1.523) e “construção irregular” (1.441) foram os mais recorrentes. Outros assuntos denunciados que também merecem atenção são: guarda e comércio de animais silvestres (1.253), captação clandestina de água (692), extração irregular mineral (572) e loteamento irregular (552).

Vale destacar que o Linha Verde recebe denúncias sobre queimadas, maus tratos contra animais, construções irregulares, caça e guarda de animais silvestres, fabricação e comercialização de cerol, linha chilena e balões, poluição das águas e do solo, extração irregular de árvores, extração mineral, desmatamento florestal, pesca irregular, desvio de curso, comércio ilegal de água, captação clandestina de água, despejo de esgoto clandestino, desperdício de água, rinhas de galo, carvoarias clandestinas, loteamento irregular, contaminação do solo, aterramento de rios e lagoas e lixo acumulado. 

Em relação à distribuição territorial dessas 17 mil denúncias, o Linha Verde também constatou que a população do município do Rio de Janeiro foi a que mais denúncias fez, com 8.110. Outras cidades que se destacaram no “ranking” do Linha Verde foram: São Gonçalo (1.015), Nova Iguaçu (929), Niterói (792), Duque de Caxias (664), Petrópolis (633), Angra dos Reis (486), Maricá (470), São João de Meriti (377) e Nova Friburgo (298).

Somente na cidade do Rio, os crimes ambientais denunciados foram, em grande parte, relacionados aos bairros da Zona Oeste, como Campo Grande, Jacarepaguá, Guaratiba, Bangu e Taquara.

O balanço do Linha Verde também destaca a quantidade de informações recebidas pelo aplicativo para celulares “Disque Denúncia RJ”, onde a população pode denunciar os crimes ambientais enviando fotos e vídeos, também com a garantia do anonimato. Por essa ferramenta, foram cadastradas 4.184 denúncias, sendo que a população dos municípios do Rio de Janeiro, Petrópolis, São Gonçalo, Angra dos Reis e Niterói, foram as que mais utilizaram o app para envio de informações sobre crimes contra o meio ambiente.

O Linha Verde solicita a população que continue denunciando ilícitos ambientais em todo o Estado do Rio através dos telefones 0300 253 1177 (interior, custo de ligação local), 2253-1177 (capital), através do aplicativo para celulares “Disque Denúncia RJ”, onde usuários com sistema operacional Android ou IOS podem denunciar anexando fotos e vídeos, também com a garantia do anonimato ou então pela página do Linha Verde no Facebook.

Últimas