GM trabalha para chegar ao topo das vendas com o Tracker

  • 22/03/2020 16:27

    Em 2019, o Chevrolet Tracker, então importado do México, foi apenas o 11º SUV mais vendido do Brasil, somando pouco mais de 16,3 mil emplacamentos – ou 1/4 das vendas do líder Jeep Renegade no período.

    Com a chegada da nova geração, fabricada em São Caetano do Sul (SP) sobre a mesma base de Onix e Onix Plus, a expectativa da General Motors é bem mais ambiciosa: chegar à liderança.

    O Tracker também estreia uma inédita versão específica para clientes PCD, que sai por R$ 56.877, incluindo todas as isenções fiscais, e que no lançamento virá mais equipada e com pintura metálica grátis.

    Leia também: Mulheres pagam 23% menos por seguro de carro do que homens

    Em relação às versões convencionais, os preços são bastante agressivos. Resta saber por quanto tempo eles serão mantidos pela GM.

    Por conta do coronavírus, a apresentação da novidade para a imprensa especializada, que seria realizada presencialmente na capital paulista, aconteceu na manhã de quarta-feira, via streaming. Devido ao mesmo motivo, ainda não foi possível ver o carro ao vivo nem dirigi-lo.

    Preços, conteúdo das versões e especificações técnicas já eram conhecidos, pois o SUV compacto chegou antes do previsto aos showrooms da rede autorizada. Pode-se dizer que o Tracker 2020 é a versão SUV do novo Onix, trazendo até mais do que as novidades introduzidas no fim do ano passado pelo hatch compacto – carro mais vendido do Brasil há cinco anos consecutivos.

    Novo motor 1.2 turbo

    Nas opções mais baratas, motor e câmbio são os mesmos do Onix, porém com calibragem específica: 1.0 turbo flex de três cilindros, com injeção indireta e 116 cv a 5.500 rpm e 16,3/16,8 kgfm a 2.000 rotações – gerenciado por transmissão manual ou automática de seis marchas. De acordo com a General Motors, com ele o Tracker 2020 acelera de zero a 100 km/h em 10,9 segundos.

    As versões mais caras vêm com o inédito 1.2 turbo, também com três cilindros, bicombustível e igualmente com injeção indireta. Ele rende 132/133 cv e 21,4/19,4 kgfm a 2.000 rpm, sempre acompanhado de câmbio automático.

    A partir da versão LT 1.0 (R$ 89.900) e também na PCD, o modelo tem sistema start-stop, ou seja, é desligado automaticamente em paradas rápidas para poupar combustível. A General Motors afirma que os dois motores são os mais econômicos do segmento de SUVs compactos.

    Leia também: Motorista aponta arma para homem depois de avançar com carro sobre ele na faixa de pedestres

    De acordo com a montadora, o novo Tracker é o SUV flex com menor consumo do mercado. A empresa informa médias de 14,8 km/l (gasolina) e 10,4 km/l (etanol) com o motor 1.0 e câmbio manual no ciclo rodoviário. Com o mesmo conjunto, na cidade, são 13 km/l e 9 km/l, respectivamente.

    Com mesmo motor e transmissão automática, o consumo informado para a estrada é de 13,7 km/l com o derivado do petróleo e de 9,6 km/l com o combustível de origem vegetal. Na cidade, são 11,9 km/l e 8,2 km/l.

    Quanto ao interior, o painel de instrumentos é praticamente idêntico ao do novo Onix, mas a tela de 3,5 polegadas do computador de bordo é colorida. Além disso, a fabricante informa que o painel foi deslocado 7 graus na direção do motorista e levemente rebaixado, para dar a sensação de “domínio da direção” ao motorista – aquela posição mais elevada de dirigir tão apreciada em SUVs. (UOL Automóveis)

     

     

    Últimas