Força-tarefa da Polícia Civil combate milicianos no Rio e na Baixada Fluminense

24/nov 11:49
Por Redação / Tribuna de Petrópolis

A força-tarefa criada pela Polícia Civil para combater quadrilhas de milicianos realizou, nessa terça-feira, dia 23, operação para prender criminosos e asfixiar fontes de renda de organizações criminosas. Participaram da ação as delegacias do Departamento-Geral de Polícia Especializada (DGPE) e a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquérito Especiais (Draco/IE). Quinze pessoas foram capturadas.

Numa das ações, a Draco prendeu um dos chefes da milícia nas comunidades da Malvina, Cabeça de Porco e Invasão, localizadas na Taquara, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio. 

A Delegacia de Polícia Interestadual – Divisão de Capturas (DC-Polinter) prendeu um ex-policial militar em Inhoaíba, Campo Grande, também na Zona Oeste, que realizava cobrança de taxas de segurança irregulares para a milícia. Havia contra ele um mandado de prisão por extorsão. Na mesma região, uma fábrica de produtos químicos clandestina foi fechada pela Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).

A Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) capturou dois milicianos em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Já a Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) prendeu outros dois e interditou estabelecimentos de venda irregular de gás e provedores clandestinos de internet. Na Gardênia Azul, em Jacarepaguá, a Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIm) capturou cinco responsáveis por comercializar produtos falsificados explorados pela milícia.

Entre os crimes investigados estão exploração de atividades ilegais controladas pela milícia, cobranças irregulares de taxas de segurança e de moradia, instalações de centrais clandestinas de TV a cabo e de internet (gatonet/gatointernet), armazenamento e comércio irregular de botijões de gás e água, empresas de GNV ilegais, parcelamento irregular de solo urbano, exploração e construções irregulares, areais e outros crimes ambientais, comercialização de produtos falsificados, contrabando, descaminho, transporte alternativo irregular e estabelecimentos comerciais explorados pela milícia e utilizados para lavagem de dinheiro.

Últimas