Estudo afirma que animais têm conhecimento profundo sobre a morte

05/jan 12:53

Dorothy teve uma vida muito difícil, uma vida que não desejaríamos a ninguém. Sua mãe foi morta quando ela era muito jovem e foi levada para ser vendida em um parque de diversões em Camarões. Passou 25 anos de sua vida acorrentada, em meio a zombaria, álcool e tabaco. Acabou sendo resgatada e levada para o centro de resgate Sanaga-Yong, onde foi capaz de fazer as pazes com o mundo. Finalmente, oito anos de calma … O sofrimento acabou. Esses anos a ajudaram a se reconstruir, estabelecer amizades fortes e eventualmente se tornar uma figura respeitada e amada por sua nova comunidade de chimpanzés.

Dorothy, uma chimpanzé de quase 50 anos de idade, morreu de parada cardíaca em 23 de setembro de 2008, mas faleceu entre seus entes queridos. Monica Szczupider, voluntária do centro de resgate, imortalizou aquele momento com uma fotografia que em 2009 daria a volta ao mundo graças à National Geographic.

Os chimpanzés daquela comunidade se amontoavam atrás de uma cerca de metal, cada um deles era protagonista de uma história terrível com um final agridoce. Eles assistiram emocionados, com as mãos nos ombros de seus companheiros, enquanto os cuidadores do centro levavam para sempre o corpo sem vida de Dorothy.

O sucesso dessa fotografia talvez fosse previsível. Foi muito fácil se conectar com a cena. Um indivíduo amado e respeitado foi removido para sempre, diante da impotência de uma sociedade que assistia com as emoções à flor da pele.

Cuidado com o antropocentrismo

O estudo das reações de outras espécies à morte é uma especialidade que chamamos de “tanatologia comparada” e tem uma história muito recente. Das descrições detalhadas e comoventes de Jane Goodall, às bizarras propostas experimentais atuais com as quais se pretende estudar as reações dos animais a situações estranhas e inesperadas, como alto-falantes que emitem a voz de elefantes mortos e cabeças animatrônicas.

A tanatologia comparada é um campo muito voltado para os primatas, o que se justifica por vários motivos, que podem ser resumidos em um: nós somos primatas.

A tanatologia comparada é um campo muito voltado para os primatas, e por vários motivos, que podem ser resumidos em um: somos primatas.

A morte é de enorme importância para nós e, se vamos estudar a forma como outras espécies reagem a ela, espera-se que nos concentremos nas mais próximas de nós. Isso se deve a uma certa parcimônia evolutiva, mas também a um viés que permeia profundamente nosso pensamento: o antropocentrismo, uma espécie de egocentrismo que se estende a tudo que nos faz lembrar de nós mesmos.

Em nosso artigo recente, defendemos que existem duas formas de antropocentrismo, que se interpuseram no desenvolvimento da tanatologia comparada. Fomos enganados pelo efeito de distorção de dois prismas, através dos quais observamos o mundo natural: um antropocentrismo intelectual e um antropocentrismo emocional.

A morte é de extrema importância para cada um de nós. A dor que acompanha a perda de um ente querido só é comparável ao terror que desperta o silêncio absoluto que nos espera a todos. O medo resultante deu origem a todos os tipos de crenças para sufocá-lo, com as quais nos sentimos fortemente identificados. Algo tão carregado emocionalmente, tão humano, é facilmente exagerado. A tanatologia comparativa não está isenta desse viés.

Temos a tendência de superintelectualizar a morte. Essa é provavelmente a razão pela qual muitos autores consideram esse conceito algo inatingível para outras espécies: ou eles o entendem como nós, ou simplesmente não o entendem.

Somado a isso está a maneira como a morte se encaixa em nossa peculiar cultura WEIRD (acrônimo anglo-saxão para sociedades ocidentais, educadas, industrializadas, ricas e democráticas), na qual os mortos são pessoas que desaparecem de nossa vida e de nossos planos. Isso levou a propostas teóricas absolutamente desprovidas de perspectiva.

Alguns dos requisitos teóricos que foram propostos como necessários para compreender a morte são muito elevados. Exorbitante. Por exemplo, a necessidade de uma teoria da mente (a capacidade de criar modelos mentais que representem as mentes de outros indivíduos) ou de um conceito de ausência. Mas a morte na natureza é muito mais simples e comum do que para nós. Em nosso mundo urbano, corremos o risco de esquecer que os mortos são essencialmente corpos quebrados sem conserto.

Algo que Susana Monsó defendeu ao propor o conceito mínimo de morte. Se libertarmos nossa elaborada concepção da morte de todo o fardo desnecessário, ficamos com o essencial para entendê-la: corpos que param de se comportar como antes e perdem suas funções para sempre. Entender isso não requer mentes privilegiadas, e provavelmente muitas espécies podem alcançá-lo, embora haja diferenças na forma de concebê-lo.

Como já discutimos, a morte não é importante apenas para os humanos: muitas vezes também é uma tragédia. Se cometemos o erro de esperar que outras espécies reajam da mesma maneira que nós, caímos em um antropocentrismo emocional. Essa é uma das razões pelas quais a tanatologia comparativa tem se concentrado tanto nos primatas, porque eles nos lembram não apenas física e intelectualmente, mas também em seus relacionamentos.

As reações à morte podem ser muito diferentes à pena e ao luto (embora haja boas evidências de ambos na natureza). O conceito de morte apoia-se em uma infinidade de reações emocionais, e o luto é apenas uma delas.

Vamos pensar sobre predadores e sua relação com a morte. Imagine o leopardo que, após anos abatendo antílopes, aprendeu a distinguir o momento exato em que, após aplicar a mordida letal, sua presa perde suas funções vitais. Nos cadáveres, não apenas as funções típicas da vida desaparecem para sempre: novas funções também aparecem. Um cadáver é diferente em todos os sentidos. Isso favorece o aprendizado dos animais que nele vivem.

Nem sempre é fácil ser um predador (os leões têm apenas 26% de chance de pegar uma gazela), e sabemos que o sucesso ou o fracasso dependem muito desse aprendizado. Portanto, os predadores prestam atenção especial a quaisquer pistas que a presa possa fornecer. Essa atenção não é apenas uma evidência da capacidade de atender à funcionalidade. Também pode ser a origem do que poderia ser ignorado como evidência da existência do conceito de morte em predadores.

Finja-se de morto!

Entre os biólogos evolucionistas, a ideia sugestiva de que os pavões machos são moldados pela mente das fêmeas é freqüentemente repetida. As preferências das fêmeas moldaram, ao longo das gerações, as caudas ostentosas dos machos. Conhecendo a forma e o comportamento dos machos, podemos conhecer a mente dessas pavões fêmeas.

Com predadores e algumas de suas presas, poderíamos ter um caso semelhante.

Estamos nos referindo a um fenômeno relativamente difundido no reino animal: a chamada “tanatose”. Muitos animais, quando em perigo, podem ficar completamente paralisados (de aranhas a tubarões, galinhas e humanos). Isso às vezes salva suas vidas.

Em alguns casos, como na morte, não só o movimento desaparece: novas funções são acrescentadas, típicas dos cadáveres. É essa semelhança com a morte que a tanatose deve seu nome. Em algumas espécies, o mimetismo com a morte é absolutamente fantástico: adotam uma expressão facial típica de cadáver e baixam a temperatura corporal. Alguns até expelem sangue pela boca.

As espécies mais bem adaptadas à tanatose nada têm a invejar o mimetismo de um inseto em forma de folha e, como o referido inseto, não precisam ter nenhum conhecimento de imitar algo. As formas mais elaborados provavelmente são acionadas automaticamente.

A importância da tanatose surge quando nos perguntamos sobre sua evolução, já que foi a mente dos predadores que moldou essa imitação da morte. Como a cauda do pavão, essa estratégia defensiva abre uma janela para a mente dos predadores, sua capacidade de entender a morte e o que esperam dela.

A tanatologia comparada é um ramo muito recente da ciência e provavelmente ainda guarda muitas surpresas para nós. O verdadeiro interesse científico por esse ramo da ciência começou em 2010, logo após a publicação daquela fotografia em que os chimpanzés do centro de resgate de Sanaga-Yong se despediram de Dorothy.

Essa fotografia foi um grande choque para a sociedade e a comunidade científica. Tinha tudo para se encaixar em nosso antropocentrismo intelectual e emocional. Agora é a hora de a tanatologia comparativa se libertar dessas limitações e explorar por si mesma um mundo muito mais rico e complexo do que qualquer um poderia esperar. A morte é comum na natureza, e o conceito de morte também parece ser.

 

Últimas