Estudantes da escola SESI vão representar Rio de Janeiro em desafio nacional de Ciência e Engenharia, em Brasília

  • 06/10/2016 09:25

    Projetos de iniciação científica e pesquisa investigativa criados por estudantes das escolas SESI de Petrópolis, Barra Mansa e Jacarepaguá vão representar o Rio de Janeiro na etapa nacional da Mostra SESI de Ciência e Engenharia, que acontecerá em Brasília, em novembro. Os trabalhos foram escolhidos durante a disputa estadual, realizada em Petrópolis na última segunda-feira (3), quando avaliadores da Febrace – Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – elegeram os três vencedores baseados nos quesitos: criatividade, inovação e empreendedorismo.

    A disputa envolveu 45 alunos do 8º e 9º ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio das três unidades escolares. Os jovens foram desafiados a criar soluções inovadoras para situações que afetam o cotidiano e seu entorno social, propondo avanços para a sociedade. As pesquisas foram feitas nas áreas de ciências exatas e da terra, agrárias, biológicas, humanas, saúde, sociais aplicadas e engenharia.

    Entre os vencedores, os jovens de Petrópolis apresentaram um estudo sobre a extração da essência do alho para produção de repelente natural contra serpentes, na tentativa de unir a cultura popular e ciência.

    Os representantes de Jacarepaguá desenvolveram uma lâmpada capaz de consumir menor quantidade de energia se comparada às lâmpadas normais, através de um sistema para regulação automática da voltagem de acordo com a luz do ambiente. O objetivo é aprimorar a luminosidade das lâmpadas comuns para economizar mais energia.

    Já os jovens de Barra Mansa criaram uma balança para certificação e controle do consumo do gás de cozinha. O aparelho pode ser utilizado tanto para consumidores domésticos, que seriam informados sobre a quantidade de gás que ainda está dentro dos botijões, quanto para empresas distribuidoras do produto, para certificação e controle de fraudes.

    Segundo a gerente de Educação Básica do SESI Rio, Hozana Cavalcante, a participação dos estudantes no desenvolvimento de projetos científicos contribui para a criação de jovens atuantes e protagonistas, preocupados com as transformações do mundo. “Com essa proposta, os estudantes são capazes de autoconduzir seu conhecimento, ou seja, a metacognição. As pesquisas desenvolvidas para estes trabalhos subsidiaram os projetos proporcionando maturidade acadêmica e profissional. É como colocar o conhecimento em ação, onde tudo o que se aprende pode ser utilizado para o desenvolvimento de um projeto ou inovação”, afirma.

    A etapa nacional da Mostra de Ciências e Engenharia será realizada dentro das atividades da Olimpíada do Conhecimento, entre os dias 10 e 13 de novembro. O Rio de Janeiro irá competir com projetos de outros quatro estados: Alagoas, Bahia, Goiás e Minas Gerais. A competição tem parceria com Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), realizada pelo Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC), associado da Escola Politécnica da USP. 

    O encontro em Petrópolis ainda contou com uma mesa redonda que debateu como a ciência, a inovação e a tecnologia, podem criar espaço para a construção e produção de sentidos que venham inspirar o jovem para solução dos aspectos imperativos da sociedade. O debate contou a mediação do professor e apresentador do programa Ciência em Movimento, Márcio Campos, das doutoras em Tecnologia, Dra. Sicília Judice e, em Biologia, Dra. Fernanda Retondaro e estudantes.

    Últimas