Em nova vistoria, Defesa Civil mantém interdição de área próxima ao descolamento de rochas, no Ingá

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio

  • 21/jan 08:00
    Por Redação/ Tribuna de Petrópolis

    A Secretaria de Defesa Civil, juntamente com a Assistência Social, realizou na manhã desta quinta-feira (20), nova vistoria na Estrada da Pedreira, na localidade do Ingá, na Posse, onde foi registrado descolamento de pedras, na noite da última quarta (19). De acordo com a Prefeitura, os técnicos realizaram nova avaliação na região e conversaram com os moradores nas proximidades do local onde foi registrado o deslizamento. A área afetada é a mesma onde houve ocorrência similar, em proporções maiores nos anos de 2014 e 2019, desta forma, em toda a área já foi feita interdição, que se mantém vigente.

    Conforme explica uma das geólogas da Defesa Civil, Caroline Dutra, o desplacamento que ocorreu na Pedreira do Ingá é um processo natural de acordo com o modelo do relevo. Os deslizamentos no local podem ocorrer sem que haja intervenção humana. “Esse fenômeno é ocasionado por efeito da variação térmica diária. Durante o dia temos uma elevação do nível da temperatura que cai bruscamente à noite. Esses efeitos diários contribuem para que haja alívio de pressão e as rochas se desprendam, de acordo com as fraturas. Isso contribui para o desplacamento dos blocos e lascas rochosas”, acrescentou a geóloga do órgão, Caroline Dutra.

    No momento em que os moradores acionaram a Defesa Civil pelo 199 na noite de quarta-feira (19), uma equipe operacional de primeiro atendimento se direcionou para o local, onde os moradores já não se encontravam. Na manhã desta quinta (20), em nova vistoria na região, apenas uma moradora foi encontrada, mas informou que não permaneceria na residência. Não houve novas interdições e de acordo com informações dadas à equipe, os proprietários dos imóveis da área interditada, possuem moradias em outras localidades.

    “Os moradores de residências próximas foram orientados a não permanecer no local e reforçamos a interdição da região. Pedimos que a população fique atenta a sons de estalos ou modificações na montanha. A qualquer sinal de instabilidade, a Defesa Civil deve ser acionada imediatamente pelo 199”, reforça o secretário de Defesa Civil, o Tenente Coronel Gil Kempers, que acrescenta que a comunicação com a comunidade ainda é facilitada por um grupo de aplicativo que foi criado para os moradores da região.

    Últimas