Dia do Trabalho

  • 29/04/2016 09:40

    Domingo passado, preguei sobre o novo mandamento do amor deixado por Jesus (João 13.34). No fim do culto, uma pessoa comentou: “Pastor, isso é o que nós precisamos: ouvir e seguir o que Jesus nos ensinou.” 

    Celebramos no dia 1º de maio o dia do trabalho. E nos perguntamos: o que Jesus nos ensinou? 

    Jesus não tem uma palavra específica sobre o trabalho, remuneração, emprego, desemprego. O que temos nos Evangelhos é a parábola dos trabalhadores da vinha (Mateus 20.1-16). Neste texto, os que foram contratados às 5h da tarde recebem o mesmo salário do que os que foram contratados às 6h da manhã e trabalharam o dia todo. Todos receberam um denário. E o denário era o que o trabalhador necessitava para seu sustento diário, o pagamento por um dia de trabalho. Se os últimos trabalhadores tivessem recebido somente pela hora que trabalharam, iriam passar fome. Onde se conclui: salário justo é o que a pessoa precisa para seu sustento diário, não importando a profissão ou o quanto trabalhou. Todos têm direito à vida e ao sustento diário, “porque digno é o trabalhador do seu salário” (Lucas 10.7).

    Mas você vai objetar: isso incentiva a preguiça! Ora, observem que não há nenhum preguiçoso entre estes trabalhadores. Todos estavam na praça esperando ser contratados, querendo trabalhar, já desde às 06h da manhã. Estavam ainda desocupados na praça “porque ninguém nos contratou” (Mateus 20.7) O que mostra que na época de Jesus havia desemprego! 

    A Bíblia jamais defende a preguiça. Já diz Gênesis 3.19 que o ser humano ganha o seu pão com o suor do seu rosto, ou seja, trabalhando. E em Tessalonicenses 3.10, Paulo diz: "- Quem não quer trabalhar que não coma."

    Também o descanso é necessário e bíblico: Deus descansou, e nós não somos escravos (Êxodo 20.8-11; Deuteronômio 5.12-15).

    O que aprendemos da Sagrada Escritura neste dia 1º de maio? 

    – Que todos têm direito ao trabalho e à justa remuneração. Se há desemprego, a sociedade precisa se organizar de tal forma a solucionar esta questão. 

    – Que a preguiça não deve estar presente na vida do cristão. 

    – Que todos têm direito ao descanso, não devemos ser escravos do trabalho.

    Seguindo as orientações bíblicas, com certeza a vida se tornará muito melhor.

    Últimas