Desmatamento lidera o ranking de denúncias de crimes ambientais no município em 2021

15/jan 05:00
Por Vinícius Ferreira

O levantamento anual divulgado pelo Linha Verde, um braço do programa Disque Denúncia do Rio de Janeiro, apontou Petrópolis entre as cidades com maior volume de denúncias no estado (633) em 2021. Ficando atrás apenas da capital (8.110) e cidades como São Gonçalo (1.015), Nova Iguaçu (929), Niterói (792) e Duque de Caxias (664). Os dados do ano passado representam um aumento de 7,5% em relação ao ano anterior, quando foram feitos 589 registros.

O desmatamento irregular lidera o ranking de denúncias na cidade. Justamente uma das intervenções humanas que está entre as principais ações diretamente conectadas com o deslizamentos de terra. Segundo o levantamento, 107 denúncias foram registradas no ano passado. Um crime que foi seguido da construção irregular (80 casos) e da extração irregular de árvores.  

O ranking ainda soma outras intervenções humanas ilícitas como: extração irregular de solo (16), criação de loteamento irregular (13), aterramento de rio (8), queimadas (8), desvio de curso (6) e captação clandestina de água (5).

Poluição e maus tratos a animais também tiveram registros. O primeiro com destaque para os 38 casos de poluição do ar, mas também teve lixo acumulado (9), poluição das águas (9), contaminação do solo (5) e despejo de esgoto (4). Em relação aos animais, com maior registros foi o crime de comércio irregular de animais silvestres (27), que foi seguido do crime de maus tratos (15).

Maior número de registros em Itaipava

O líder local do ranking da destruição do meio ambiente foi Itaipava, que contou com 51 registros de crimes em 2021, 51 casos (o que representa 8% dos registros feitos na cidade). Uma queda de 15% no distrito, se comparado com 2020. No entanto, em 2020, o volume de registros havia quase triplicado na comparação com 2019, 60 casos contra 22.

Em 2021, no ranking fica Araras em segundo (onde os casos passaram de 41 para 43) e Correas (que teve redução de 47 para 40 casos na comparação dos últimos dois anos). Nogueira (22), Posse (25) e Secretário (25) são outros bairros com significativo volume de registros.

O líder do primeiro distrito, região mais populosa da cidade é o Centro, que contou com 25 denúncias. Foi seguido pelo Quitandinha (23),  Quarteirão Brasileiro (21), Bingen (17), Duarte da Silveira (15) e Carangola (12). Os dados de 2017 até 2021 apontam que a cidade acumulou 1.911 denúncias de destruição ambiental. Um número que veio crescendo gradativamente. Em 2017, foram 124 registros, número que saltou para 238, em 2018. Em 2019, foram 327. Em 2020, 589 e no ano passado, 633.

Necessidade de parceria

Petrópolis conseguiu se posicionar à frente no indesejado ranking de cidades como Angra dos Reis, no litoral sul do Estado, que nos últimos anos estabeleceu uma parceria com o Disque Denúncia RJ para ajudar a difundir os canais de denúncias e estimular a população a denunciar. Ou seja, o volume dos últimos anos poderiam ter sido ainda maiores.

“O número de denúncias feitas pela população de Petrópolis foi significativo, mas os resultados não foram tão expressivos como nas cidades que têm parcerias com o Instituto MovRio e campanhas promovidas com o Disque Denúncia, como Angra dos Reis, em que o Batalhão da Polícia Militar foi o campeão de redução de criminalidade em todo o Estado no segundo semestre de 2021”, esclareceu Pedro Borges, novo coordenador do Disque-Denúncia e presidente do Instituto MovRio.

A Tribuna de Petrópolis questionou a Prefeitura de Petrópolis sobre quais medidas estão sendo adotadas para reverterem os números que cresceram nos últimos anos e se há alguma previsão de estabelecer parceria para estimular que a população denuncie mais casos de crimes ambientais. Até o fechamento desta publicação não tivemos resposta.

Programa Linha Verde

O Linha Verde recebe denúncias sobre queimadas, maus tratos contra animais, construções irregulares, caça e guarda de animais silvestres, fabricação e comercialização de cerol, linha chilena e balões, poluição das águas e do solo, extração irregular de árvores, extração mineral, desmatamento florestal, pesca irregular,  desvio de curso, comércio ilegal de água, captação clandestina de água, despejo de esgoto clandestino, desperdício de água, rinhas de galo, carvoarias clandestinas, loteamento irregular, contaminação do solo, aterramento de rios e lagoas e lixo acumulado. 

As denúncias podem ser feitas através dos telefones 0300 253 1177 (interior, custo de ligação local), 2253 1177 (capital), através de seu aplicativo para celulares “Disque Denúncia RJ”, onde usuários com sistema operacional Android ou IOS podem denunciar anexando fotos e vídeos, também com a garantia do anonimato ou então pela fanpage do Linha Verde no facebook (facebook.com/linhaverdedd).

Últimas