Desequilíbrio de ecossistemas causado pela ação humana causa declínios de espécies na Amazônia

05/jan 12:58

As espécies de pássaros estão em declínio mesmo em partes remotas da Amazônia, longe da interferência humana, mostra um estudo.

Os cientistas descobriram um declínio acentuado em nove espécies de pássaros comedores de insetos nas terras baixas da selva central no espaço de algumas décadas. Nenhum declínio equivalente foi encontrado entre as aves que comem frutas. Isso, eles disseram, indica que a crise climática e seus efeitos sobre as populações de insetos podem ser os culpados.

A pesquisa, publicada na revista Ecology Letters, faz uso de dados coletados há mais de 30 anos pelo biólogo conservacionista Thomas Lovejoy e outros para estudar o impacto do desmatamento.

Na época, o governo brasileiro estava incentivando os fazendeiros a transformar a floresta em pastagem, mas exigia que mantivessem algumas terras intactas. Lovejoy e seus colegas convenceram alguns fazendeiros a deixar fragmentos de floresta de vários tamanhos dentro de grandes cortes rasos, isolados do resto da floresta, na esperança de que descobrissem quão pequeno um fragmento de floresta tropical poderia sustentar uma flora e fauna saudáveis. Eles usaram pássaros – bem estudados e fáceis de capturar – como representantes do reino animal.

Para examinar o número de pássaros, eles desenrolaram “redes de névoa” impenetráveis feitas de fibra de poliéster fina quase invisível, três vezes mais alta e 20 vezes mais longa que uma rede de tênis. Estes capturaram uma proporção de pássaros em vôo sem prejudicá-los. Os cativos foram soltos após serem contados, pesados e medidos.

Os pesquisadores também estudaram parcelas de controle em grandes extensões de floresta intocada. O acampamento 41, localizado nas profundezas da floresta de controle 65 km ao norte de Manaus, tornou-se uma base central.

Anos mais tarde, em 2008, o Prof Philip Stouffer, da Louisiana State University, o principal autor do novo artigo, foi questionado por um observador de pássaros do Camp 41 por que eles não tinham visto nenhum formigueiro com asas, um pássaro bulboso com um olho turquesa dramático anel. Embora nunca seja comum, o pássaro já havia sido visto de vez em quando. Outros pássaros que os cientistas esperavam ver também estavam ausentes.

O projeto de fragmentos de floresta não foi projetado para medir mudanças na abundância de pássaros nos locais de controle, mas, em um estudo não relacionado, Stouffer e seus colegas já estavam repetindo a maior rede de neblina nesses locais desde os anos 1980. Esses dados, eles perceberam, poderiam ser usados para descobrir se as aves locais estavam em declínio.

O novo artigo comparou a abundância de 79 espécies capturadas entre 2008 e 2016 com amostragens do início dos anos 1980. Stouffer disse que os resultados o surpreenderam. Nove espécies se tornaram menos comuns, incluindo oito que eram pelo menos 50% menos abundantes. Todas as espécies de pássaros em declínio, exceto uma, eram membros de dois grupos comedores de insetos: insetívoros próximos ao solo e insetívoros terrestres. Significativamente, de acordo com Stouffer, quase nenhum comedor de frutas estava diminuindo, com um punhado sendo mais comum na contagem recente.

“Algo diferente está acontecendo com as aves que se alimentam de artrópodes no solo da floresta ou próximo a ela”, disse Stouffer.

O jornal descartou várias explicações para os declínios, incluindo caça, um predador invasor ou algum patógeno. Lovejoy, um dos autores do novo artigo, disse que a única outra explicação que parecia fazer sentido era a crise climática: “Não há outra arma fumegante”, disse ele.

Ele disse que as condições mais secas e quentes na Amazônia central podem causar “estresse fisiológico direto para as aves” ou “mudança estrutural na floresta” que reduziu o suprimento de alimentos ou tornou o habitat menos adequado.

Stuart Pimm, um biólogo conservacionista da Duke University, que não estava envolvido com a nova pesquisa, mas já havia colaborado com vários dos co-autores, questionou as conclusões, apontando que os locais de amostragem atuais eram próximos, mas não exatamente os mesmos como, as áreas originais. “Eles não podem ter certeza de que não há algumas diferenças na história natural desses dois conjuntos de sites que possam explicar os resultados”, disse ele.

No entanto, Stouffer disse acreditar que é justo comparar os dois conjuntos de dados. “Seria muito difícil encontrar os lotes [originais]”, disse ele. Ele disse que alguns dos campos de pesquisa originais foram engolidos pela selva e os locais precisos da época anterior ao GPS foram perdidos.

Em qualquer caso, disse ele, a evolução natural da floresta, como as quedas normais de árvores que abrem clareiras ou novas árvores que as fecham, mudam constantemente a adequação de um determinado local. “Estamos nos enganando se pensarmos que a‘ floresta ’é a mesma 35 anos depois”, disse ele.

Vitek Jirinec, candidato a doutorado na Louisiana State University e segundo autor do artigo, disse: “Este é o melhor que temos para mostrar o que aconteceu com a comunidade de pássaros da floresta”.

Desde 2017, ele amarra registradores de dados em miniatura aos pássaros para monitorá-los durante as horas mais quentes do dia, o que lançou mais luz sobre o assunto. Isso, disse ele, indica a reação deles a um clima mais quente.

Embora os dados ainda não tenham sido publicados, Jirinec disse que não parecem bons para os pássaros da floresta. “A mudança climática está tornando a floresta menos adequada para essas espécies”, disse ele.

Últimas