Crimes de estelionato batem recordes no ano da pandemia

28/jan 10:17
Por Janaina do Carmo

Os casos de estelionato em Petrópolis bateram recordes no ano passado, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (28), pelo Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro (ISP). Devido à pandemia da covid-19 e com as restrições de circulação, principalmente nos primeiros meses do ano, o estelionato foi o crime mais praticado em 2020.

De acordo com números, no ano passado, entre janeiro e dezembro foram 763 registros nas duas delegacias de polícia da cidade – 105ª (Retiro) e 106ª (Itaipava). No mesmo período de 2019, foram 543 casos, ou seja, um aumento de 40,5%. Apenas no mês de dezembro de 2020, foram 71 boletins de ocorrência. No mesmo mês de 2019, foram 59 registros.

Nos últimos 18 anos, quando o ISP começou a série histórica, o ano de 2020 foi o que mais registrou crimes de estelionato em Petrópolis. Em 2003, quando houve a primeira divulgação dos números, as duas delegacias registraram apenas 159 casos desse tipo. Dez anos depois já eram 332 boletins de ocorrência denunciando o crime.

Devido à pandemia da covid-19, os atendimentos nas delegacias de polícia de todo o Estado do Rio de Janeiro sofreram restrições e apenas casos em flagrante eram registrados presencialmente. Outros crimes estavam sendo registrados pela internet.

Com isso, houve uma queda significativa na quantidade de boletins de ocorrências. De acordo com o levantamento do ISP, em 2020, as duas delegacias de Petrópolis registraram entre janeiro e dezembro 8.122 boletins. No mesmo período de 2019, foram 10.517, o que representa uma queda de 22%.

A pandemia influenciou diretamente nos registros nas delegacias. Crimes como estupro (25%), furto (35%) e roubos (46%) tiveram quedas em 2020 em comparação com o ano de 2019. Até as apreensões de drogas tiveram um redução de 15,5% em um ano.

Últimas