Contrato de R$ 46 milhões é batata quente na Educação: ninguém quer ser responsável

22/nov 03:10

O contrato emergencial feito pela prefeitura com a De Sá para a admissão de 1,1 mil profissionais para a Educação por seis meses, valor de R$ 46 milhões, é motivo de discórdia entre a Secretaria de Educação e o Gabinete do prefeito interino, Hingo Hammes. Gerida por José Luiz Lima, ex-Psol, a nova chefia da pasta se recusa a ter contato com as letrinhas, principalmente as miudinhas, desse contrato que foi assinado (sabe lá Deus porque ela botou o CPF para rolo se já estava indo embora) pela ex-secretária, Márcia Palma.  Tudo o que se refere a De Sá é enviado ao chefe de Gabinete, Fábio Reinan Junior.

Só pra saber

Perguntinha que não quer calar: se a De Sá foi contratada emergencialmente para fornecer 1,1 mil trabalhadores para a Educação, gasto de R$ 7,6 milhões mensais, porque ainda tem gente recebendo por RPA na Educação? Deixa só o Ministério Público saber disso…

Transferência

Falando em Educação, tem cargo comissionado que é mesmo pau para toda a obra, não interessa a secretaria. Vários que estavam na Assistência que era controlada pelo Psol migraram para a Educação depois que o partido foi controlar a nova pasta.

Com a águia da praça aos pedaços e o local cercado os turistas se viram como pode. Essa dupla fotografou mesmo com cercadinho e a estátua quebrada, danificada já há oito meses. Henry Kappaun clicou.

Impostos via Pix

A prefeitura assinou uma parceria com o Banco do Brasil e os contribuintes vão poder recolher taxas e impostos por Pix. É a primeira cidade no Estado do Rio a adotar a prática. Calma, gente. Foi em Areal.

A grama tá mais verde lá

Ouvimos de um morador da Posse: “do jeito que as coisas andam bem aqui no vizinho bem que podia anexar Pedro do Rio e Posse à cidade de Areal”. Faz sentido.

Contagem         

Petrópolis está há 326 dias sem prefeito eleito pelo povo.

JEUPs

A meta é bater o recorde de 2019 que teve a presença de 54 escolas e 2.500 participantes. Os Jogos Estudantis Unificados de Petrópolis terão cinco modalidades em disputa as categorias sub-13, 15 e 18: vôlei, xadrez, tênis de mesa, atletismo e taekwondo. A competição acontece de 24 a 27 de novembro, com os jogos sendo realizados no Centro de Iniciação ao Esporte (CIE) de Petrópolis, no Caxambu, no Centro de Cultura, e no 32° Batalhão de Infantaria Leve (BIL).

Acabou a molezinha

Se tudo voltou ao normal com capacidade total permitida em Petrópolis porque a Câmara de Vereadores ainda faz sessões online? É presencial, gente! Já passou da hora!

Ação, neles!

Outro setor que não tem explicação – não tinha nem antes para reduzir – em não ter voltado com horário ‘normal’: bancos.  Apenas algumas instituições ampliaram horário.

Menos grana

Ainda é expressiva a quantidade de benefícios fiscais – com setores recolhendo menos tributos do que os estabelecidos para o restante – no Estado do Rio.  Pelos cálculos do deputado estadual Luiz Paulo são R$ 9 bilhões a menos que o governo do Rio vai deixar de recolher.

Fica a dica

Olha que interessante: vereadores cariocas aprovaram, por unanimidade, projeto de lei que autoriza a prefeitura a contratar diretamente rodoviários caso alguma empresa apresente problemas em sua concessão.  Lá, Eduardo Paes também fez a prefeitura assumir a operação de algumas linhas de BRT…

Loucura

Esse tempo em Petrópolis tá de lascar. Abre sol dois dias, chove outros 15, depois dá um mormaço, após isso faz um frio siberiano e por aí vai. E a gente nota que essa confusão na temperatura deixa nossos polos de moda atirando para todo lado. Tem roupa de verão, alto verão, inverno, outono, primavera e frio glacial convivendo juntos nas vitrines.

E continua assim o posto de saúde do conjunto Vicenzo Rivetti (foto do Movimento do Aluguel Social e Moradia): abandonado. Enquanto isso o PSF do bairro segue sobrecarregado, afinal, são mais três mil pessoas habitando a localidade…

CIP

É claro que não vamos ser ouvidos, mas não custa tentar: já que estamos falando em iluminação de Natal, gasto de R$ 2,3 milhões com as lâmpadas e temos uma gestão interina-legislativa não tem nenhum vereador para propor alteração, para menos, do cálculo da Contribuição de Iluminação Pública?

Agora complicou

O Ministério Público estadual criou uma força-tarefa para fiscalizar o uso de cerca de R$ 23 bilhões de reais arrecadados com o leilão da Cedae, em abril deste ano. O dinheiro foi arrecadado pelo Estado com a concessão de áreas de fornecimento de água e recolhimento de esgoto que antes pertenciam à companhia estadual. A resolução que cria o grupo destaca que é urgente o acompanhamento do uso dos valores obtidos com a outorga dos serviços públicos. O grupo deve atuar por, pelo menos, seis meses, mas o prazo pode ser prorrogado por quantas vezes o MP considerar necessário.

Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br

Últimas