Compra de notebooks para professores subiu no telhado

13/ago 02:47

Foi anunciada em fevereiro, mas a compra para notebooks para os professores só foi ter licitação marcada para o dia 23 de julho. Agora, parece que subiu no telhado. Desde a data não há mais movimentação no procedimento. Não se sabe se acabou, se foi suspensa, se deu deserta. Era estimado um gasto de R$ 12,7 milhões para a compra de 300 desktops e mais 1,5 mil notebooks entre outros materiais como no-breaks. Na época a meta era ajudar os professores no ensino online e na preparação das aulas.  Mas demorou tanto que deu tempo de a vacina avançar e das aulas presenciais começarem a retornar…

Nem tchum

Sobre as três horas de aula por dia no retorno das escolas de forma presencial na rede pública municipal além de apenas lanche ao invés de merenda não se ouviu nenhum vereador se pronunciar…

Águas vão rolar

Cobrado sobre a data de uma audiência para debater o serviço da Águas do Imperador, o vereador Junior Paixão disse que pediu ao presidente da casa, Fred Procópio e que não entende porque não foi marcada. Ô, Paixão, a gente tem um palpite…

Ooops!

E a Câmara de Vereadores ia colocando em votação na terça-feira projeto de lei da prefeitura instituindo o Conselho Municipal de Direitos da Mulher – Condin, que já existe desde o governo Bomtempo. Na leitura da matéria a vereadora Gilda disse que não era para votar, não. Que o prefeito pediu de volta. Aí, ela pediu vista para suspender a votação. Que organização, hein?

Perda de tempo

Agora, vamos falar sério: Hingo Hammes faz o que todo prefeito fez. Manda novos projetos de lei de temas já existentes e consolidados como esse, do Condin. A ’meta’ deles é deixar uma marca. Fala sério, né? Tanta coisa para fazer pela cidade.

Instituição presente no dia a dia da comunidade, o 32º Batalhão de Infantaria Leve de Montanha – Batalhão Dom Pedro II – festejou ontem seus151 anos de fundação, com a entrega do diploma ‘Amigo do Batalhão’ para autoridades e representantes da sociedade. Francisco de Orleans e Bragança, diretor-presidente do Grupo Tribuna e Samir El Ghaoui, presidente da TurisPetro, foram dois dos homenageados e posaram orgulhosos para os Partisans com os diplomas entregues pelo comandante tenente coronel Eduardo Costa Mattos.

Eita!

Moradores do Bingen foram às redes sociais falar que o asfalto na rua principal, a Paulo Hervê, não tá lá essas coisas. De fato tá meio maroto. Mas, as cabeças coroadas da prefeitura estão dizendo que haverá mais uma cobertura de asfalto. Aguardemos.

DNA

Também não pudemos deixar de notar que é o asfalto da discórdia. Pela primeira vez a galera de Bernardo Rossi se revoltou com a gestão Hingo Hammes sobre a paternidade da verba que está sendo usada para asfaltar 59 ruas.  Estão nas redes sociais esbravejando de que quem conseguiu os R$ 20 milhões da Caixa para o programa foi Rossi. E o clima tá quente!

Na pele

Nem tudo são flores para os apoiadores da gestão Hingo Hammes.  Mauro Peralta e Marcelo Lessa sentiram na pele como é que a coisa funciona. Projeto de Lessa, pregando que o relatório quadrimestral da saúde precisa ser entregue uma semana antes da audiência pública, obrigatória por lei, foi retirado de votação. E olha que o projeto foi concebido com apoio e orientação da promotora Vanessa Seguezzi.

Alta complexidade

O calhamaço de umas mil páginas costuma chegar na véspera da audiência e vamos combinar: impossível de analisar tudo. Aí, na audiência, a equipe da saúde vai para lá e passa slides com os vereadores conhecendo os números na hora, tendo de avaliar… Mas, Domingos Protetor vice-líder do governo na Câmara pediu vistas orientado por HH com a desculpa da complexidade da matéria. Pior foi todos os vereadores concordarem com exceção de Peralta, Lessa e Gilda.

Anota, aí!

Mas a gente quer dar uma dica para os vereadores: de posse do relatório e após a audiência pública vocês podem se debruçar sobre os números, averiguar o que está errado e até conferir in loco e denunciar no Ministério Público. Não precisa esperar a audiência do próximo quadrimestre, não.

Contagem         

Petrópolis está há 224 dias sem prefeito eleito pelo povo.

De novo

Mais uma vez começa a ser levantar a possibilidade de, finalmente, concluir um prédio, de propriedade do Inpas, na Rua Teresa. O prédio iniciou construção no governo Bomtempo, uma parceria com a iniciativa privada. As lojas, no térreo, ficaram prontas, mas o restante, que seria usado pela prefeitura foi abandonado. Na gestão Rossi também se falou no mesmo assunto e nada.

Em um nascer do sol, ainda quando a lua está presente, as torres do Morin avistadas pela trilha do Castelinho, foto de José Renato Lisboa Cordeiro.

Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br

Últimas