Com impasse sobre vacinação, forças de seguranças registram afastamentos por covid

10/abr 10:20
Por Luana Motta

Seguindo o Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, a Secretaria de Estado de Saúde começou a distribuição da remessa de vacinas destinada às forças de segurança – policiais militares, civis, federais, bombeiros e agentes penitenciários. Na semana passada, a Secretaria Municipal de Saúde recebeu apenas 90 vacinas para a aplicação da primeira dose do esquema vacinal. Já nesta sexta-feira (9), foi entregue uma nova remessa das vacinas com 170 doses destinadas a vacinação das forças de segurança.

Desde o ano passado, o 15º Grupamento Bombeiro Militar registrou 47 casos confirmados de coronavírus entre os bombeiros do quartel da Avenida Barão do Rio Branco, e do Destacamento Bombeiro Militar de Itaipava. Atualmente, no 15º GBM, há cinco militares afastados, três casos confirmados e dois suspeitos, nos dois quartéis.

Já no 26º Batalhão da Polícia Militar, pelo menos 5% do efetivo esta afastado com confirmação ou suspeita de covid-19. E no ano passado, dois policiais militares da ativa morreram em decorrência de complicações da doença.

Objeto de críticas por especialistas, a ampliação da vacinação para as forças de segurança chegou a ser barrada parcialmente pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), que acatando um pedido da Defensoria Pública e Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro havia definido subgrupos prioritários dentro do grupo das forças armadas. Os órgãos afirmavam que priorizar as forças de segurança neste momento, será a institucionalização do “fura-fila”.

Nesta sexta-feira, o presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira, deferiu o pedido do Governo do Estado e manteve, na íntegra, o Decreto Estadual nº 47.547/2021. Assim, os trabalhadores das forças de segurança e da educação do estado passam a fazer parte do grupo prioritário para vacinação contra a Covid-19, conforme estabelecido no decreto.

Em Petrópolis, a Prefeitura afirma que as equipes da saúde vêm fazendo reuniões com o Estado para o detalhamento da orientação para vacinação de profissionais de segurança, que seguirá a normativa que indicará quem serão os primeiros a serem vacinados, já que o número de doses enviadas até a semana passada cobria apenas 6% deste público.

Trabalho continua

Mesmo com os afastamentos, tanto a Polícia Militar quanto o Corpo de Bombeiros afirmam que vem trabalhando sem medir esforços para garantir a continuidade do atendimento à população. O 15º GBM informou ainda que implantou uma série de protocolos e procedimentos operacionais de segurança, realiza capacitações frequentes da tropa, reforçou o estoque de equipamentos de proteção individual, investiu na sanitização das unidades, na imunização dos militares e investiu na área e no serviço de atendimento/assistência a bombeiros ativos, inativos e dependentes com casos de Covid-19.

Esse novo grupo de vacinação faz parte também do calendário único de vacinação criado pelo governador em exercício Cláudio Castro, mas cabe aos municípios adotar ou não o modelo. Segundo a SES, o objetivo é unificar as ações de imunização contra a Covid-19 e evitar o contágio e a propagação do vírus em grupos que atuam em ações de enfrentamento à pandemia. A Prefeitura de Petrópolis ainda não divulgou como será a imunização dos novos grupos determinados pelo calendário e pelo PNI.

Mais 3,2 mil vacinas para a primeira e 9,8 mil para a segunda dose

Sobre a nova remessa da vacina que foi destinada ao município nesta sexta-feira, a Prefeitura disse que foram entregues 3.250 vacinas contra a covid-19 referentes a primeiras doses e 9.890 vacinas referentes a segundas doses do imunizante.  O lote recebido prevê que parte das doses sejam destinadas a profissionais de Segurança e idosos com 65 a 69 anos. A Secretaria de Saúde informou que aguarda orientações em relação ao percentual de doses destinadas a cada público.

A Tribuna solicitou informações sobre os afastamentos por covid-19 entre agentes da Polícia Civil da 105ª DP e 106ª DP, e aguarda resposta. Também foram solicitadas informações sobre os afastamentos por covid-19 na Guarda Civil Municipal, mas a Prefeitura não respondeu.

Últimas