30/abr 08:00
Por Maitêus *

Cavalcade, vencedor da sexta edição do Oscar, em 1933, é um filme estadunidense que pretende condensar mais de 30 anos de história da Inglaterra, de 1899 até 1933, usando como fio condutor uma família burguesa e seus serviçais. Originalmente escrito como uma peça de teatro, o filme carrega aquilo que há de mais tradicional no teatro burguês: a representação da família e do espaço privado como o centro dramático de maior importância na sociedade.

Clique e assista:

Por se tratar de um filme premiado pelo mais cobiçado evento de cinema da atualidade,  chama a atenção que o filme seja completamente incapaz de focar em pelo menos um assunto ao longo de toda a história. Sua pretensão em contar os grandes acontecimentos da família que protagoniza a narrativa relacionando-os com os grandes acontecimentos da história recente da Inglaterra faz com que o filme não seja nem sobre a família, nem sobre a Inglaterra. Ele é considerado um épico histórico, e essa categorização genérica poderia servir para responder essa questão, mas de todos os acontecimentos relevantes da história mundial que atravessam a história do filme, não é mostrada nem uma cena sequer de qualquer um deles.

A guerra colonial, tema dos primeiro minutos do filme, é retratada basicamente pelo embarque dos soldados em direção a África e depois com seu retorno para a Inglaterra; a morte da rainha Vitória é retratada pelos protagonistas em suas sacadas prestando homenagens, sem nem mesmo aparecer seu caixão; e a primeira guerra mundial é majoritariamente retratada naquela que pode ser considerada a única cena realmente relevante, do ponto de vista estilístico, ao longo de todo o filme, que mostra de forma sobreposta os soldados marchando, morrendo e ao fundo as dançarinas de uma espécie de cabaret cantando músicas de recrutamento com cunho sexual, mas mesmo assim nenhuma cena de guerra é mostrada, nem ao menos um combate, uma tropa inimiga ou mesmo uma cena no campo de batalha. A cena que serve para conectar o acidente que afundou o Titanic com os dramas da família Marryot consegue ser completamente cômica naquilo que, acredito, deveria ser um dos momentos mais dramáticos da história, a morte do filho do casal protagonista. Por conta da proposta do filme, essas representações superficiais dos acontecimentos históricos fazem sentido, porém essa decisão narrativa torna sua categorização como filme épico um tanto quanto contraditória. O filme seria na realidade um conto sobre o núcleo familiar em questão, ocorre, no entanto, que o desenvolvimento deste núcleo é atropelado pelos fatos históricos com os quais se pretendia conectar. 

Cavalcade tenta fazer aquilo que Forrest Gump fez com muito mais qualidade e bom humor 60 anos mais tarde, ao se propor contar a história de um país através da vida privada de um protagonista, com a diferença que Forrest Gump assume o ridículo que há em traçar esse paralelo. A pretensão de reivindicar a própria história como espelho da história de milhões de sujeitos, dando a entender uma certa especialidade cidadã do protagonista e um certo tipo de validação nacional na sua vida privada, como se ele fosse o exemplo de habitante daquele país, carrega consigo a necessidade de pontuar uma diferença entre ele e os outros que vivem vidas aleatórias e descoordenadas. O filme de 1994 critica a auto superestimação de uma elite econômica e intelectual que se coloca nesse lugar de idealização familiar ou de sujeito exemplar, não à toa o protagonista é um homem de origem pobre e intelectualmente inapto. Assistir os dois filmes em sequência certamente torna Forrest Gump um filme muito mais engraçado e Cavalcade um filme um pouco mais suportável.

Por fim vale ressaltar os valores morais que Cavalcade carrega de forma explícita e acrítica. O fato do filme representar a história da Inglaterra como se esta fosse uma cavalgada medieval, provavelmente uma cavalgada cruzadista, já dá o tom de dominação com a qual a Inglaterra se projetava a época, e um diálogo do filme confirma este fato, logo no início da trama, quando um personagem justifica a existência da guerra como a ferramenta que serve para mostrar quem é que manda. Em 1933 o império britânico lutava para manter seus status e seus domínios coloniais, por tanto fazia sentido reivindicar esse domínio através da arte, como se buscasse desesperadamente manter sua posição de liderança no cenário internacional, mas fato é que o tom melancólico do fim da película já indicava a decadência do império, que ao fim da segunda guerra mundial veria seu protagonismo mundial ruir de vez. A relação problemática e distanciada dos ingleses com os povos de todo o mundo também fica muito explícita ao longo da história, ao ponto de uma personagem questionar onde realmente fica a África – e talvez esse seja o momento mais lúcido do filme em relação a suas limitações morais -, e um soldado, que esteve lutando no continente africano, ser incapaz de responder, como se de fato a África não existisse no imaginário, no cotidiano e na realidade inglesa, ainda que o império só existisse como tal graças ao domínio que exercia sobre outros povos ao redor do mundo, que não eram enxergados pelos habitantes da metrópole e que tão pouco dão as caras no filme.

Acompanhe todas as críticas do Cine Muda!

*Maitêus é petropolitana, formada em História pela Universidade Católica de Petrópolis(UCP) e aluna do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Maitêus explica que a coluna ‘Cine Muda’ surge como uma forma de popularização da “sétima arte”, inserindo o leitor/internauta na história do cinema.

Últimas