Cemitérios operam com sepultamentos acima da média

15/abr 02:00

Os cemitérios em Petrópolis – em dados da própria prefeitura – têm capacidade para uma média de 10 sepultamentos diários. Atualmente, o número aumentou e muito.  Sábado foram 18, domingo foram 19, segunda 14 e, terça, 13 sepultamentos.  Nestes mesmos dias em abril de 2020, a contagem era assim: dia 10 foram 5 mortes; dia 11 eram 5; no dia 12 foram registradas 8 e dia 13 eram 7.  Ou seja, foram 64 sepultamentos este ano, em quatro dias de abril e 25 em igual período no ano passado.

Capacidade comprometida

Em maio de 2020, a prefeitura anunciou aos ministérios públicos que iria comprar containêres frigoríficos para armazenar corpos e que poderia abrir valas nos cemitérios do Brejal e Secretário. De concreto aumentaram o número de coveiros, que ontem, calçados com chinelos de dedo, cruzaram os braços cobrando equipamentos e os mesmos benefícios dos funcionários da Comdep.

Como assim?

Ambulâncias das UPAs precisam ir ao Rio abastecer. Mas como assim, gente?  A cada dia, segundo o vereador Marcelo Lessa, duas ambulâncias vão ao rio abastecer. Os veículos são da empresa Vida, contratada para o serviço.  E isso rola desde a gestão passada.

Dança das cadeiras

Entra legislatura e sai legislatura e uma prática continua a mesma: a dança das cadeiras. O que aparece de nomeação e exoneração de cargos em comissão na Câmara de Vereadores não está no gibi. E boa parte das vezes são funcionários que saem de um cargo para outro nos próprios gabinetes ou nas comissões.

Ooops!

A prefeitura divulgou um post em redes sociais convocando os comerciários a colarem em suas lojas um cartaz mostrando a metragem do espaço e quantas pessoas poderiam permanecer ao mesmo tempo em seu interior. Talvez a indicação deveria ser aos comerciantes, que são os donos das lojas, né?

Falando nisso

São apenas 23 senhas para consultas por mês na UBS do Independência, local com mais de 38 mil moradores. E com as pessoas chegando à 01h da madrugada para pegar número.   Eis que a coordenação das UBS vai se reunir no final do mês com os moradores. E esperamos que neste encontro saiam com melhorias concretas.  E podia também aproveitar e se reunir com os moradores do Thouzet que também só tem marcação de consultas duas vezes por mês.

A Guarda Civil entregou a doação de mais de 80 quilos de alimentos para o lar de crianças Nossa Senhora das Graças, em Corrêas.  Também foram doados brinquedos.

Só com a defensoria

Os próprios vereadores não estão conseguindo intervir para que pessoas sejam atendidas nas emergências da cidade, em especial, nas UPAs. Eles estão entrando em contato com a Defensoria Pública para conseguir os atendimentos. Mas, gente… nem os vereadores?

Partisans honorário

Nas redes sociais esses dias uma pessoa reclamava da imprensa, inclusive a de Petrópolis, que com matérias sobre a covid “não contribuem em nada, apenas deixam as pessoas com mais medo”.  Eis que Doulgas Souza, um cidadão, mandou a seguinte resposta: “na tevê passa desenho e se quiser viver de fantasia liga no Cartoon”. Douglas passa aqui e pega um botton de Partisans honorário.

Contagem

Petrópolis está há 105 dias sem prefeito eleito pelo povo.

Discórdia

O bicho pegou, de novo, entre os vereadores Yuri Moura e Octávio Sampaio.  O direitista e o esquerdista trocaram acusações e o estopim foi uma reunião, em um restaurante, com empresários da cidade – segundo Yuri um jantarzinho de luxo e segundo Octávio apenas uma reunião com água sendo servida.  O tema do encontro foi  tratamento precoce com as empresas se oferecendo para ajudar o poder público.

Recordar é viver

No governo Paulo Mustrangi o corte de um abacateiro gerou uma ação do Ministério Público Federal e quase que o então presidente da Fundação de Cultura e Turismo, Charles Rossi, foi preso por crime ambiental. A árvore foi suprimida para se colocar o palco da Bauernfest, ali na Alfredo Pachá. Será que não seria tão grave quanto o corte de árvores promovido pela prefeitura na gestão interina  sob a alegação de que estão atrapalhando as câmeras de segurança?

Agentes de saúde

Quase, mas quase, que perdem o prazo para convocar os 42 agentes comunitários de saúde concursados que esperavam o chamado. Na hora ‘h’ alguém lembrou e a convocação foi feita na véspera do prazo acabar, no dia 08.

Quem nunca deu um tempo ali na Praça da Liberdade, como nesta foto – antes da pandemia – de José Renato Lisboa Cordeiro.

Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br

Últimas