Após aumento de casos, Saúde inicia busca ativa para vacinação contra covid nas escolas

  • Continua após o anúncio
  • Continua após o anúncio
  • 04/jul 18:06
    Por Redação/ Tribuna de Petrópolis

    Com o objetivo de aumentar a cobertura vacinal da população, principalmente entre as crianças e adolescentes, a Prefeitura iniciou nesta segunda-feira (4), a campanha de vacinação itinerante contra a covid-19. A mobilização vai acontecer nas escolas da rede municipal, duas vezes por semana em diferentes unidades de ensino. Serão aplicadas a primeira e a segunda dose para as crianças de 5 a 11 anos e primeira, segunda ou primeira dose de reforço a partir de 12 anos. 

    Nesta segunda, a primeira unidade escolar a receber a ação foi a Escola Municipal Carlos Demiá, no Retiro. A previsão da Secretaria de Saúde é imunizar cerca de 400 estudantes, seja com a primeira dose ou completando o esquema vacinal; além dos profissionais da Educação. Na quinta-feira (7), a mobilização acontecerá na Escola Paroquial São Pio X, no Caxambu. 

     “Durante reunião do Comitê Científico definimos pelas ações nas unidades de ensino, após verificarmos que houve um aumento de casos nas escolas, principalmente entre os profissionais da Educação. A campanha vai acontecer ao longo de todo do ano para aumentarmos a nossa cobertura vacinal”, disse o secretário de Saúde, Marcus Curvelo.

    De acordo com a Prefeitura, a vacinação nas escolas está sendo organizada por meio de uma parceria entre a Divisão de Imunização com o Programa de Saúde na Escola (PSE).

     “As unidades fizeram levantamento do quantitativo de alunos e profissionais que não tomaram a vacina ou que precisam completar o esquema vacinal. Esses levantamentos estão sendo enviados para o Setor de Imunização para que o cronograma da campanha itinerante seja elaborado”, explicou a secretária de Educação Adriana de Paula.

     Os pais do pequeno Daniel, de cinco anos, aprovaram a iniciativa. Eles levaram o menino para completar o esquema vacinal na escola na manhã desta segunda-feira. “É mais prática vir aqui na escola para tomar a vacina. Lá em casa todo mundo tomou das doses”, disse a mãe, Leonora Machado de Carvalho, de 31 anos. Após se imunizar, o pequeno Daniel ganhou o certificado de coragem, entregue às crianças que tomaram a vacina.

    Últimas