Aluguel de imóveis: gastos sem controle nos governos

18/out 03:17

Nos idos de 2017, a então gestão Bernardo Rossi levantou que a prefeitura alugava 82 imóveis ao custo de R$ 6,4 milhões ao ano. E queria reduzir a quantidade de imóveis locados e seus valores. Passados quase cinco anos, há quem diga que o número passou de cem já e que os gastos são de mais de R$ 7 milhões por ano.  São imóveis que abrigam repartições públicas, postos de saúde, escolas, centros de assistência social, depósitos… Só a Saúde aluga pelo menos 33 imóveis.

15 mil para ônibus escolares

Evidentemente, há casos onde o aluguel, por falta de espaço próprio, é necessário, mas em outros… É o caso do aluguel por R$ 15 mil mensais para estacionar os ônibus escolares da cidade, em Itaipava. São R$ 800 mil em quatro anos enquanto há uma área de 15 mil metros quadrados logo ali ao lado praticamente: o Parque de Exposições. Feito em agosto, o contrato está valendo mesmo depois de a gente ‘denunciar’ aqui. Talvez a gestão do Psol na Secretaria de Educação possa olhar com carinho e fazer essa economia para os nossos bolsos. Ou usar R$ 15 mil mensais para socorrer a população da fila do caminhão de osso…

Carol e Chris são o casal do Jumping Places e está viajando o mundo desde 2019. E eles já somam 26 milhões de visualizações de seus vídeos no Youtube. No Brasil no momento, eles fizeram questão de passar por Petrópolis! E fizeram um vídeo lindo da cidade!

Será que vai ter CPI?

E a gente não resiste: vereadores que já estavam na última legislatura e se manifestaram contra os gastos do Natal Imperial e os estreantes que também fizeram suas campanhas baseados no ‘absurdo’ de gastos na gestão Rossi com o tema estão enrolados para justificar uma Natal Imperial 2021 de quase R$ 6 milhões e ainda explicar que mesmo desorganizado, com licitações em cima da hora e coisa e tal vai ser uma boa para a cidade.  Natal Imperial, este feito por um vereador, Hingo Hammes que, como os colegas gostam de dizer,  “é um de nós na prefeitura”.

Carnaval 2022

Natal Imperial já é coisa do passado. O que se discute agora é o Carnaval 2022. E vai ter folia mesmo contrariando uma ala do governo interino de Hingo Hammes que é contra.  O Instituto Municipal de Cultura está organizando uma cartilha para orientar os blocos e já se reúne com forças de segurança para organizar a coisa.

Tensão

Ainda é de apreensão o clima na Secretaria de Assistência Social depois que o Republicanos assumiu a pasta. Várias cabeças já rolaram e ainda não acabou, não.  Já na Educação, agora sob o comando do Psol, há mudanças, mas em menor ritmo.

Xiiiii!

Ávidos pelas obras e serviços, vereadores já não economizam críticas ao departamento de licitações da Prefeitura.

Sem carga mínima

Já está em vigor a lei que estende, até o encerramento do ano letivo de 2021, a validade de medidas excepcionais que vinham sendo adotadas por escolas e universidades em razão da pandemia de Covid-19. A nova lei dispensa os estabelecimentos de educação infantil de cumprir tanto os 200 dias obrigatórios do ano letivo quanto à carga mínima de 800 horas exigidas. Já as escolas de ensino fundamental e médio terão de cumprir a carga horária exigida em lei, mas ficam dispensadas do mínimo de 200 dias letivos.

Como fica aqui

Uma resolução do Conselho Nacional de Educação autoriza instituições de ensino públicas ou particulares a estenderem o ano letivo de 2021 para 2022 caso haja necessidade. Embora o atraso no calendário escolar de 2020 tenha impactado no calendário deste ano, alguns estados estão se programando para terminar o ano letivo de 2021.  Em Petrópolis, que mal acabou de reiniciar aulas presenciais, ainda não se falou sobre o assunto.

Sucesso o estande de Petrópolis no evento “O Rio continua perto. E lindo”, que incluiu rodada de negócios com apresentação da cidade como um dos melhores destinos para viagens do país, evento realizado no Rio. O programa agora segue para os estados de Minas, Goiás e São Paulo, além de Brasília.

Emendas

Vereadores já protocolaram suas propostas de emendas à Lei Orçamentária municipal de 2022. É a oportunidade de mostrarem quem manda e remanejarem verbas da prefeitura de acordo com o que ouvem do povo nas ruas. Mesmo porque fizeram campanha afirmando que mudariam o orçamento e iriam direcionar verbas para o que realmente importa. Mas os Partisans fazem de antemão uma aposta: duvidam-de-ó-dó que Hingo Hammes, o interino, diga amém às emendas.

Contagem         

Petrópolis está há 291 dias sem prefeito eleito pelo povo.

Calma, pessoal!

Falando em vereadores, tá liberado falar palavrão no púlpito na Câmara? Fica claro que é um vício de linguagem de alguns, mas gente, alguém precisa dar um toque…

Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br

Últimas