Advento, a espera do Salvador!

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio

  • 01/12/2021 08:00
    Por Fernando Costa

    Estamos no Tempo do Advento (do latim Adventus: “chegada”,  Advenire: “chegar a”). É o primeiro tempo do Ano litúrgico que antecede o Natal. Para nós cristãos, é um tempo de preparação e alegria, de expectativa, onde esperamos o Nascimento de Jesus Cristo. Tempo de perdão, caridade, de rever conceitos e eliminar e os preconceitos, de arrependimento e promovermos a fraternidade e a Paz.  No ano de 2017 a Santa Igreja encerrou o Ano Jubilar maternal de Maria Santíssima a sustentar a fé e o desejo do povo brasileiro ao ensejo dos 300 anos do encontro da Sagrada Imagem aparecida no Rio Paraíba do Sul. Decorridos trezentos e quatro anos a devoção mariana se propaga cada vez mais. Em Petrópolis, no dia 14 de novembro do ano em curso se viveu  histórico momento de fé e devoção: A Coroação Pontifícia de Nossa Senhora do Amor Divino, Padroeira da Diocese  pelas mãos do Excelentíssimo e Reverendíssimo Bispo Diocesano Dom Gregório Paixão em nome e com autoridade papal. São milhares de templos edificados em louvor à Mãe de Deus e nossa! Maria é o sustentáculo espiritual do oriente ao Ocidente. Dentre todas foi a escolhida por Deus para ser a Mãe de Jesus. Quando Ela disse “eis a serva do Senhor. Faça-se mim segundo a tua palavra” garantia para a humanidade a vida eterna através do Divino Filho.  Maria, cheia de graça e fonte inesgotável de nossa fé. Assim que a Mãe de Nosso Senhor recebeu a notícia do Anjo Gabriel foi apressadamente visitar sua prima Isabel que estava grávida de João Batista. E lá do alto da montanha proclamara a honra de receber a visita de  Maria como “a Mãe de meu Senhor”. Maria dos mais diversos títulos! Que o amor da doce mãe sensibilize, humanize e civilize a humanidade por vezes conturbada e sem rumo. Que ela renove a esperança. No dia l3 de maio, em Fátima vivemos o grande momento das celebrações alusivas aos 104 anos da aparição da Virgem Santíssima aos três pastorzinhos Lúcia, Francisco e Jacinta. Nesse período milhares de peregrinos povoam a Cova da Iria dessa vez com a Visita do Papa Francisco. Em cada vela, pétala, prece e louvação façam espargir a santa luz ao mundo carente de misericórdia e conciliação. E a Basílica de Aparecida do Norte continua em festa ao celebrar Maria Santíssima. Que Ela continue a interceder por nosso País porque a crise moral que se vive vai muito além da econômica. Supliquemos a Maria fonte de luz que  continue a nos permitir seus raios a nos direcionarmos ao Divino Filho razão maior de nossas vidas. Maria Porto Seguro, Estrela Guia e  Ícone do Espírito Santo. Maria acolheu a vontade Divina. Maria foi peregrina, ao invés de guardar a alegria só para si, correu ao encontro do próximo porque ela é servidora. Estava preocupada em servir. Maria solidária. Se em nossos dias tantas moças interrompem a vida de inocentes e outras tantas enfrentam o preconceito de uma gravidez inesperada façamos um retrospecto há dois mil e vinte e hum  anos! Ela foi determinada e não temeu o risco de ser apedrejada.  Sua atitude em acolher a vontade Divina a fez magnífica por todos os séculos. E nesse mesmo diapasão louvemos a atitude de José que não se importou em ver seu nome nos “tititis” dos botecos, becos, ruelas e dos bairros ao se unir a uma mulher grávida. Silente e orante acolheu a orientação do Anjo. José foi um homem fiel. Cumpriu o que o Senhor determinou e  o privilégio celestial  em  ser pai adotivo do Messias. Compreendeu a missão de Maria e pela fé aceitou  o  apelo que o amor do Senhor lhe fez. Viva a Sagrada Família e abençoada  seja a família. Salve Maria! Proclamou que “todas as gerações agora me chamarão de feliz porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor.”

    Últimas