A epilepsia e seus sintomas em cães e gatos de todas as idades

  • 28/04/2016 15:00

    A epilepsia é uma doença que pode acometer cães e gatos, devido a descargas elétricas anormais dos neurônios no cérebro que podem levar a espasmos e convulsões. Esse distúrbio pode ter causa genética, ser causado por algumas doenças como cinomose, tumores, traumatismos e também em quadros de intoxicações e envenenamentos. E também há casos que não se é possível identificar a origem da patologia.

    Segundo a veterinária Taiana Leal, os sintomas apresentados pelos pets são: convulsão, desorientação, espasmos musculares, comportamentos estranhos como salivação excessiva e desequilíbrio sem controle do próprio corpo. “Vale lembrar que os sinais clínicos variam de acordo com a intensidade da crise, sendo indispensável a visita ao veterinário para diagnóstico e tratamento, devendo o proprietário estar sempre atento a qualquer alteração no seu animal”.

    Os riscos que os animais correm ao ter epilepsia dependem do grau, intensidade e tempo de duração da crise. Em alguns casos pode haver lesões neurológicas (sequelas) e até óbito do animal. Outro ponto importante a ser observado pelo dono é que as crises podem ser localizadas em partes específicas do corpo do bicho, podendo ocorrer com sinais mais brandos.

    “Em caso de crise, o ideal é manter a calma e consultar o médico veterinário imediatamente. Lembrando de não deixar o animal sozinho e evitar que ele se machuque no momento da crise. É indicado proteger o animal para que ele não bata em locais que possam feri-lo, além de colocar almofadas e colchões ao seu redor. É importante também observar o tempo de duração e os sinais que o pet apresenta durante a crise”, explica Taiana.

    “Vale ressaltar que os sintomas da doença em animais que herdam geneticamente a patologia muitas vezes aparecem a partir dos três anos de idade. Porém, pode acometer o animal em qualquer faixa etária, de acordo com a causa. Lembrando que filhotes podem apresentar convulsão por hipoglicemia, dentre outras alterações”.

    De acordo com a veterinária, é importante saber que a convulsão é um sintoma da epilepsia decorrente de desordens neurológicas. E o tratamento adequado deve ser estabelecido pelo médico veterinário, de acordo com o quadro de cada animal, podendo ser indicadas as medicações de uso contínuo, a fim de espaçar e abrandar os sinais da convulsão. 


    Últimas