12 mil casas em áreas de risco e projetos de ajuda no papel

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio

  • Continua após o anúncio
    Continua após o anúncio
  • 25/10/2021 03:05

    Falta vontade e continuidade para aplicar leis já existentes que possam melhorar a vida do povo quando o assunto é habitação.  O governo petista de Lula, em 2008, aprimorou uma lei que previa ajuda de arquitetos e engenheiros para construções populares com segurança. Na esfera municipal, em 2015, Rubens Bomtempo criou o Programa de Engenheiro e Arquiteto de Família. Em 2017 foi a vez de Bernardo Rossi fazer convênio com a UERJ para arquitetos ajudarem as pessoas em suas construções. Nem a lei federal foi cumprida nem as ações municipais foram adiante.  Enquanto isso, temos 12 mil residências em áreas de risco.

    Ganho indireto

    O programa que vai substituir e aumentar o Bolsa Família, além do benefício direto para as 6.019 famílias de Petrópolis que recebem os recursos, vai ajudar também a economia da cidade.  Passando dos atuais R$ 189 mensais para R$ 400, o Auxílio Brasil injetará por mês na economia da cidade R$ 2,4 milhões.

    Mais duplas

    E tem mais gente na listinha das dobradinhas a deputado: Marcus Vinicius ex-Neskau, a estadual, vai com Lessa a federal.  E pode rolar ainda Julio Lopes, federal e Maurinho Branco estadual.

    Carnaval

    Xiiiii! Vai dar ruim… O Carnaval 2022 já tem a ala pró e a ala contra dentro do governo.  O lance vai ser explicar porque não poderá ter folia e blocos com a população vacinada na totalidade como se espera chegar em 2022…

    Verdade

    Um leitor da coluna nos corrigiu: não é apenas o busto do ex-prefeito Sérgio Fadel, que fica no jardim do Palácio que leva seu nome e é sede da prefeitura, que precisa de uma guaribada, não. “O próprio prédio tá mal cuidado. É o imóvel mais sujo da Koeler destoando dos demais”, diz o Partisans. De fato.  Não recebe cuidados há anos.  

    Um personagem da cena urbana de Petrópolis que Henry Kappaun em suas andanças pelas ruas sempre encontra (e fotografa).

    Como assim?

    É sério que a Câmara de Vereadores ‘economizou’ e devolveu R$ 3,8 milhões a prefeitura e agora apresentou uma emenda ao orçamento de 2022 pedindo R$ 130 mil para reforma do Palácio Amarelo?

    Pontos de táxi também

    A gente falou sobre o desrespeito aos pontos de ônibus, mas a desordem no trânsito da cidade faz mais vítimas. Taxistas reclamam que os pontos estão sendo invadidos por carros particulares e de aplicativos e que não adianta reclamar com a CPTrans.

    Contas

    De um Partisans das antigas: hoje a cidade é governada pelos vereadores e os 16, juntos, incluindo o interino Hingo Hammes, tiveram 24.897 votos que é menos da metade do candidato que foi vencedor nas urnas, Rubens Bomtempo, com 64.907.

    Contagem         

    Petrópolis está há 298 dias sem prefeito eleito pelo povo.

    Um ano sem Guédon

    Será celebrada hoje a missa de um ano de falecimento de Philippe Guédon, fundador do Partido Humanista da Solidariedade. Guédon, um dos líderes políticos da cidade, deixou como legado, além da própria história, o Instituto Philippe Guédon, que promove a cidadania e participação popular na política. A missa será celebrada às 18h, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus.

    Consegue identificar? Pão de Açúcar e também a ponte Rio Niterói. E isso visto daqui de cima, do alto da Pedra do Cortiço. José Renato Lisboa Cordeiro fotografou.

    Crise

    Até agora o Psol tem apenas quatro cargos nomeados na Secretaria de Educação e o vereador Yuri Moura, calculadora na mão, fez as contas de quantos nomeados do Republicanos tem a secretaria de Matheus Quintal, a de Assistência Social. Noves fora, tá uma fera com a gestão interina de Hingo Hammes. Fora que ele nem sabe a pulverização de cargos do PSD de Hugo Leal em várias secretarias. Também se rebelou Marcelo Lessa que ficou sem cargos na Assistência e quem sobrou lá está sendo apresentado à chapa Matheus-Elias, se é que vocês me entendem.

    Entre a cruz e a espada

    Felipe Santa Cruz, presidente da OAB do Rio, vai ser o candidato do PSD ao governo do Estado como quer Eduardo Paes. A questão agora é: quem a gestão interina de Petrópolis vai apoiar? Claudio Castro, o governador que tentará a reeleição ou o PSD de Hugo Leal?  Se atender os anseios de Leal fica sem o apoio de Castro em programas e projetos…

    Contatos com a coluna: lespartisans@tribunadepetropolis.com.br

    Últimas