Saiba em quais praias da Região dos Lagos você pode levar seu cão

Por: Luana Motta

Quarta Feira, 10 de Janeiro de 2018


Texto: A - A A +
Compartilhar:
imagem noticias

Quando finalmente chegam as férias de verão a família arruma as malas e coloca o pé na estrada rumo ao litoral fluminense. Cabo Frio, Arraial do Cabo, Búzios, Rio das Ostras e até as praias do Rio de Janeiro se transformam em refúgio para os petropolitanos. Mas ai que surge a dúvida: o pet pode frequentar a praia? Em algumas é proibida a presença de animais e em outras é liberada, mas com restrições. Para tentar ajudar os tutores separamos algumas dicas do que pode ou não fazer na praia, e quais roteiros são indicados para levar o bichinho. 

Na hora de arrumar a mala o tutor não pode esquecer da coleira ou peitoral que o cão esteja acostumado. Nesta época do ano as praias ficam muito cheias e não é recomendado deixar o animal solto entre as pessoas. Porque ele pode ser perder e fica mais fácil controlá-lo caso fique agitado. Este acessório é indispensável até para o passeio na orla, para que o cão não corra para o meio da rua. 

Agora se a intenção é passar mais tempo na areia é importante levar um guarda-sol e uma toalha que o cão possa deitar na sombra para descansar. O calor e o passeio na areia deixam o animal mais cansado, e ter uma sombra tranquila para descansar pode ser um alívio. 

Outro item que não pode ser esquecido é a água. Por causa do calor e do gasto de energia com as brincadeiras, a hidratação deve ser em dobro. Carregar consigo um recipiente próprio para facilitar a hidratação do cão e que mantenha a água sempre fresca vai garantir muitas horas de brincadeiras com o pet. 

Assim como as pessoas, não é recomendado que o animal fique exposto entre os horários de 10h às 16h, porque o sol está mais forte e a areia mais quente, o que pode até queimar a patinha do pet. Existe no mercado protetores para as patas, que ajudam a minimizar o impacto da sola da patinha com o calor do chão. Também é fácil encontrar nas lojas pet shop protetor solar especifico para a pele animal. Apesar da pelagem, se o animal ficar muito tempo exposto ao sol pode ter queimaduras, assim como na pele humana. 

Agora uma dica que deve ser aplicada sempre: carregue um saco plástico para recolher os dejetos do cão. Se pisar em fezes de animal na rua já é desagradável, imagina na praia quando a maioria das pessoas anda descalça. Sem contar o risco de contaminação. 

O pet pode até entrar no mar, mas tome muito cuidado para que ele não ingira água salgada. Faz mal para o organismo, e pode deixá-lo desidratado. Quando chegar em casa dê um banho com água doce para lavar o pelo e tirar resíduos da areia e água do mar. 

Com as malas prontas, agora, é só escolher o roteiro

A primeira parada é o destino preferido dos petropolitanos nas férias: Cabo Frio. A presença de animais é liberada nas praias do Forte e Pero, mas sempre seguindo o bom senso na escolha dos horários e locais para frequentar. 

Em Rio das Ostras há restrições quanto ao horário. Não é permitida a presença de animais entre o horário de 6h ás 18h. Há placas informativas nas praias, o que facilita o visitante. O dica é aproveitar do horário de verão e passear pela orla durante o pôr do sol. 

Nas praias do Rio de Janeiro, Arraial do Cabo e Armação de Búzios é estritamente proibida a presença de animais. Nestas cidades há legislação municipal especifica, e a fiscalização é feita pela Guarda Municipal e agentes da Prefeitura. O descumprimento gera uma advertência sobre a retirada do cão do local. No Rio caso não seja cumprida a exigência o tutor pode ser conduzido à delegacia, com a ajuda da Polícia Militar. Para evitar que as férias se tornem uma dor de cabeça, é melhor respeitar a legislação e aproveitar o calçadão de Copacabana, por exemplo, para dar um gostoso passeio com o pet. 

Leia também Má alimentação pode prejudicar gravemente a saúde do seu pet

Quem tem animal de estimação sabe o quanto é difícil resistir as artimanhas de fofuras e travessuras que eles usam para co...