Presidente da Câmara é preso em operação do MPRJ e da polícia

Quinta Feira, 12 de Abril de 2018


Texto: A - A A +
Compartilhar:
imagem noticias
Arquivo Tribuna de Petrópolis

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da Subprocuradoria-geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos, e a Polícia Civil, por meio da Delegacia Fazendária (DELFAZ), realizam nesta quinta-feira (12/04) a operação Caminho do Ouro. O objetivo é cumprir mandados de prisão preventiva contra o presidente da Câmara de Vereadores de Petrópolis, vereador Paulo Igor da Silva Carelli; e o vereador Luiz Eduardo Francisco da Silva, conhecido como "Dudu".

Os mandados foram expedidos pela Justiça, com base nas investigações do Grupo de Atribuição Originária em Matéria Criminal (GAOCRIM/MPRJ). A ação conta com apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ). A operação também visa ao cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão, nos endereços da Casa Legislativa, nas residências do presidente da Câmara, do empresário Wilson da Costa Ritto Filho, o "Júnior", e numa de suas empresas.

Os políticos foram denunciados, junto com "Júnior" e outras cinco pessoas, entre funcionários da Câmara e empresários, pelos crimes de fraude em licitação e peculato. De acordo com a denúncia, o presidente da Câmara, Paulo Carelli, com auxílio dos demais envolvidos, combinou com o empresário uma forma de direcionar a licitação 03/2011, que gerou contrato de R$ 4,49 milhões, firmado entre Câmara Municipal de Petrópolis e a empresa Elfe Soluções em Serviços LTDA.

O objeto contratual era extremamente amplo e consistia na prestação de serviços de limpeza, conservação, higienização, reprografia, vigia, jardinagem, copeiragem, recepção, telefonia, motorista, manutenção predial e operação de áudio e vídeo, além de fornecer todos os materiais de consumo, equipamentos e insumos necessários para as atividades dentro a casa legislativa pelo período de 12 meses, a contar do dia 1º de janeiro de 2012. 

De acordo com o MPRJ, Paulo Igor, enquanto presidente da Câmara e seu ex-chefe de gabinete, o também denunciado Bruno Pereira Macedo, enquanto condutor do processo administrativo que gerou a licitação, deixaram de dar publicidade ao certame, como determina o artigo 21 da Lei 8.666/93. Além disso, o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) apontou outras irregularidades no ato licitatório. Segundo a corte de contas, foram consultadas para pesquisa de preços dos serviços a serem contratados pelo edital, exatamente as mesmas três empresas que ofereceram propostas pelo contrato. Também foi identificado "sobrepreço" total na licitação de 25%. 

Além das irregularidades apontadas pelo TCE-RJ, o Ministério Público fluminense apurou que os sócios das três empresas que apresentaram propostas no certame já pertenceram aos quadros societários umas das outras, e alguns tem vínculos de parentesco uns com os outros. 

Para o MPRJ, fica evidente que as diversas ilegalidades praticadas durante o procedimento licitatório, especialmente as relativas à falta de publicidade do certame, tinham como objetivo afastar o caráter competitivo do ato para direcionar a licitação em favor da sociedade do denunciado "Júnior", a Elfe Soluções.  

Segundo as investigações, os vereadores Paulo Igor e "Dudu" mantinham estreito vínculo de amizade com o empresário. De acordo com o Ministério Público fluminense, "Júnior" foi responsável por financiar, por meio de doações, mais de 90% das campanhas eleitorais de "Dudu" para a Câmara de Vereadores em 2008, e para deputado estadual, em 2010. 

A pedido do MPRJ, a Justiça quebrou os sigilos bancário e fiscal dos denunciados, além de afastar os vereadores de suas funções públicas. A operação é fruto da atuação do grupo de trabalho, composto por membros do GAOCRIM/MPRJ e da Delegacia Fazendária/PCERJ. A parceria tem o objetivo de otimizar as investigações sobre crimes contra a administração pública, fraudes em processos de licitação e ações de organizações criminosas, entre outras práticas ilegais praticadas por agentes com foro por prerrogativa de função.

Leia também Bandidos furtam 80 smartphones e cinco televisores de loja no Centro

Na madrugada de sábado (14), bandidos invadiram a loja de eletrodomésticos Tele Rio, na Rua Paulo Barbosa, no Centro, e levaram, pelo me...

Leia também Balcão de Empregos: 22 vagas estão disponíveis em diversas áreas

O Balcão de Empregos da Prefeitura está com 22 vagas disponíveis. Os currículos podem ser cadastrados até sexta-fei...

Leia também Oito agências bancárias são autuadas por tempo em fila: multas somam R$ 200 mil

Oito agências bancárias em Petrópolis foram multadas pelo Procon por deixar clientes esperando na fila por tempo superior ao deter...

Leia também Casas continuam sendo furtadas no Contorno

Prejuízo de mais de R$2 mil, duas tvs, um videogame, três manetes furtadas e uma janela arrombada. Foi assim que a moradora Sulumita Leit...

Leia também Operação choque de ordem termina com 29 motoristas notificados

Guarda Civil e CPTrans realizaram na noite dessa sexta-feira (20)  uma operação de  choque de ordem no Centro Histórico...

Leia também PCdoB lança ex-presidente da UNE como candidato a deputado federal

O petropolitano e ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) Daniel Iliescu será candidato a deputado federal pelo Partido Com...