Lar, doce lar

Por: Angela Coutinho

Sexta Feira, 04 de Agosto de 2017


Texto: A - A A +
Compartilhar:

Ó, motivação divina!

Ó, suave expressão de união!

Ó, suave tendência à compreensão, à estabilização e à união!

A voz suave do Mestre Jesus nos alcança e nos permeia com lições de amor e perdão, justiça e união, caridade e compreensão.

Lar, suave cantiga onde a força da união é capaz de imprimir, cada vez mais, momentos de doação, momentos de perfeita e sincera reprodução de sentimentos, lições de aceitação, onde, no exercício bendito de almas, as mãos são obrigadas a se tocar, os olhares são obrigados a se entenderem, a união de esforços e conselhos gera a força conjunta diante daqueles que em busca vão em opressão e disseminação.

Lar, palco de recuperações em fases de aceitação.

Lar, demonstração do Pai a Seus filhos de que, na luta de irmão para irmão, o primeiro passo é a percepção diante dos meandros das mentes, para que a vontade impressa não seja somente a exigida, a necessária pela força de um viver, mas onde a dose certa e acolhida seja a penetração nos sentimentos, a indulgência a erros e culpas, a compreensão daquele que usurpa, que odeia, que ama, que se doa e que se aceita.

Paz, busca perene e extremosa, feição ansiada e tão almejada!

No lar, no nosso lar, no seio de nossa família, na intimidade do espaço, que desfrutamos e em que nos enlaçamos, nos fazemos sentir, nos fazemos ouvir, nos tornamos aflitos, temerosos, autênticos e extremosos.

Na realidade, nos despojamos de nossas falsidades e nos apresentamos, cada dia, mais como somos identificados como almas divinas. Por isso, somos de difícil aceitação entre nós mesmos, por isso travamos tantas lutas num recinto tão exíguo. Estendemo-nos ao limite, na maioria das vezes, entornamos nossos sais, nossos óxidos, nossos enxofres e aqueles que partilham conosco destes momentos são obrigados a nos acolherem e nos aceitarem.

O indivíduo ou os indivíduos que se relacionam num lar, numa plena realização sentimental e moral, são considerados seres já em busca de uma maior compreensão espiritual, pois o mínimo que se quer de criaturas é a compreensão e aceitação com aqueles que se envolvem.

Aceitemos não somente aqueles que a nosso lado estão, pois estes aprenderemos a amar em qualquer situação, mas aprendamos a aceitar e amar aqueles que pouco vemos, aqueles que nos cumprimentam, aqueles que efemeramente, ocupam nossas vidas.

Todos somos almas em caminho de ajuda e redenção, todos buscamos uma colocação melhor no mundo espiritual; todos trazemos impressos aquedutos de sentimentos, de dúvidas, de temores e medos; todos precisamos buscar no irmão amigo, que se encontra a nosso lado, um querido apoio, por estarmos em condições ainda de desenvolvimento. Por que, então, brigarmos tanto, discutirmos tanto e não nos aceitarmos prontamente, precisando de lutas e mais lutas para chegarmos a estas conclusões?

Parem, pensem e vejam se não podem ceder um pouco, aceitar as observações alheias e acolhê-las com mais respeito e carinho. Não é por terem a constante convivência, que a cerimônia dará lugar a malcriações, impropérios e desaforos, pois ao contrário, as divergências precisam ser sanadas, as brigas afastadas, as bocas traçadas a apelos amigos.

O lar, a face doce da comunhão familiar, deve ser respeitado, deve ser acatado como comprometimento espiritual de todas as almas que nele se incorporam para se resignarem, se entenderem e se abastecerem, bastando, para isso, um pouco mais de compreensão e respeito.

Eduardo Runte Jr. - Homenagem ao mestre

De profissão, engenheiro, assim o amigo e associado do Instituto Histórico de Petrópolis, Eduardo Frederico Runte Júnior,...

Coração Itinerante

Éramos crianças lá nas cercanias de Hermogêneo Silva, Distrito de Três Rios, onde nascemos. Existia um velhinho de no...

O Dia Internacional da Mulher

Já houve tempo em que a mulher se imitava a três finalidades: ser mãe, cuidar do lar e dar prazer sexual ao homem. Mas ela, atrav&...

E agora? O que faço?

Meus dados estatísticos e uma simples análise de projeções para 2,5 ou 10 anos apontavam um crescimento além de nos...

Dª Carolina, "Imagens que ficaram"

A conhecemos e a sua família, quando residentes na bela mansão situada à Rua Saldanha Marinho.Dª Carolina, casada com o banc...

A LDO ganhou audiência pública

Optei por privilegiar temas municipais, e deixo à penas mais sábias comentar o que se passa em Brasília.No afã de colabora...